Colunistas

Publicado: Domingo, 19 de setembro de 2010

Pais e mestres

Pais e mestres

- Papai, vou na pracinha brincar com os meus amigos. Posso?

Claro que pode. E lá se foi meu filho correndo rumo a sua infância. Eu fiquei com aquele riso meio besta de pai quando percebe o filho feliz.

Antes de ser pai alimentava a fantasia de ser um mestre para o meu filho, aquele cara que diz sempre coisas muito sabias e ponderadas, capaz de resolver as questões mais cabeludas com frases curtas, certeiras e contundentes.

Logo que o Léo chegou essa fantasia começou a cair por terra. Não que ele fosse excepcionalmente especial, era a fantasia que era muito primária embora ele seja realmente especial.

Abri a porta da minha casa e fiquei observando meu filho brincando com seus amigos. Todos mais velhos, uma turminha na faixa de sete-oito anos e o Léo com seus espetaculares cinco anos de idade. Jogavam bola.

Logo observei, com meus olhos de pai, o exercício da crueldade costumeiramente exercida pelos seres mais poderosos sobre os mais frágeis. O Léo ficava correndo atrás da bola como um autista, totalmente alijado da disputa e das brincadeiras, ele era muito mais um estorvo do que um participante. Estava sempre atravessando o caminho de um dos meninos, quase sempre distraído nas raras vezes em que a bola vinha em sua direção e atropelado por um garoto mais afoito.

Tratei de fechar a porta, não teria cabimento me intrometer na brincadeira, meu filho que se virasse, eles que se entendessem pensei, a um só tempo,orgulhoso e surpreso com meu desprendimento.

Confesso que sofria pelo meu filho. Fiquei confabulando mil teorias sobre  a natureza humana e seu pendor para o sadismo e a crueldade. A clareza sobre a boa índole dos amiguinhos do Léo só reforçava meu descrédito com a natureza da raça humana. São crianças ótimas, sendo bem educadas, freqüentando boas escolas, vivendo em famílias estruturadas e mesmo assim cruéis. A medida que absolvia as crianças condenava a espécie. Bicho cruel, sádico, mau.

Chegava a hora do almoço, já tinha mudado o assunto de meus pensamentos quando fui a pracinha chamar meu filho para o almoço. No caminho percebi ele totalmente alijado do jogo. Estava agachado apoiado no poste que ilumina  apraça.

- Venha, vamos almoçar meu filho.

- Espera papai, não posso sair agora.

Como não poderia se estava aí sentado sem fazer nada?

- Não papai, espera, eu não posso.

Ficou em pé meio eufórico para justificar-se:

- Não posso sair agora. Estamos no meio do jogo.

Lamentei pela ingenuidade do garoto, pois era óbvio que ele não participava do jogo, pelo menos era isso que eu pai-sábio imaginava. Foi quando a bola veio em nossa direção e o Léo atirou-se num salto espetacular – para mim foi um salto espetacular – desviando a bola com um tapa providencial. Para que tanto esforço perguntava perplexo comigo mesmo.

- Eles falaram para eu ficar aqui e não deixar a bola quebrar a luminária.

Jogou a bola na direção dos meninos que nem agradeceram e retomaram o jogo. O Léo estava eufórico e ocupado demais para almoçar. Voltou a acocorar-se diante do poste de luz. Enquanto a bola era chutada longe dali ele cutucava uma formiga graúda com um graveto arrancado ali ao lado. Vez por outra espiava o andamento do jogo, punha-se a postos, em pé, olhar atento sempre que a bola fazia menção de aproximar-se para logo retomar a tortura com a formiga.  Fiquei deveras surpreso e fascindado com a felicidade do Léo num contexto no qual eu estaria revoltado e teorizando ressentido sobre a condição humana.

Defendi junto a minha companheira e mãe do Léo a idéia de que o menino almoçasse mais tarde, afinal era domingo.

À medida que mastigava refletia sobre a relação entre mestres e aprendizes, evidente que não cheguei a nenhuma conclusão, mas revi alguns conceitos sobre a espécie humana. Incrível como somos aptos a sermos felizes com coisa pouca enquanto ainda estamos deslumbrados diante da vida.

- Vá lavar as mãos antes de comer, elas estão imundas.

- Depois do almoço posso voltar a brincar com meus amigos?

- Claro que pode, eu vou lá com você.

- Não precisa papai.

- Precisa sim, vou lá ver vocês brincarem. Vai ser bom para mim.

- Então tá bom, você pode ir. Você pode cuidar para a bola não ir pra rua.

- Está bem, agora come.

 

Comentários

O olhar de um nariz

Nando Bolognesi

Nando Bolognesi

Palhaço profissional e na vida. Fez parte do elenco dos Doutores da Alegria de 2001 a 2005. Trabalhou de 2005 a 2008, sempre como palhaço, com usuários de atendimento psiquiátrico. Faz parte do elenco do espetáculo de palhaços Jogando no Quintal.

Arquivo

27 de abril de 2012

Êxodo Rural

29 de março de 2012

Até tu, SESC?

5 de abril de 2011

A arte do desencontro V

28 de fevereiro de 2011

A arte do desencontro IV