Colunistas

Publicado: Sábado, 14 de abril de 2012

Os primeiros padres

II Domingo da Páscoa.

Abril, 15. 2012.

Evangelho (Jo, 20, 19-31)

......................................................................................................

“Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e, pondo-se no meio deles, disse:

'A paz esteja conosco'.

Depois dessas palavras, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem Jesus.

Novamente, Jesus disse:

'A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio'.

E, depois de ter dito isso, soprou sobre eles e disse:

'Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados; eles lhes serão perdoados; a quem os não perdoardes, eles lhes serão retidos'.

Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze, não estava com eles, quando Jesus veio. Os outros discípulos contaram-lhe depois:

“Vimos o Senhor!”

Mas Tomé disse-lhes:

'Se eu não vir as marcas dos pregos em suas mãos, se eu não puser os dedos nas marcas dos pregos e não puser a mão no seu lado, não acreditarei'.

Oito dias depois, encontravam-se os discípulos novamente reunidos em casa e Tomé estava com eles. Estando fechadas as portas, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse:

'A paz esteja convosco'.

Depois disse a Tomé:

'Põe o teu dedo aqui e olha as minhas mãos. Estende a tua mão e coloca-a no meu lado. E não sejas incrédulo, mas fiel'.

Tomé respondeu: 'Meu Senhor e meu Deus!'

'Acreditaste por que me viste? Bem-aventurados os que creram sem terem visto!'

Jesus realizou muitos outros sinais diante dos discípulos, que não estão escritos neste livro. Mas estes foram escritos para que acrediteis que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais a vida em seu nome.”

.........................................................................................................

Um dos evangelhos mais explícitos e elucidativos dos escritos sagrados, um autêntico corolário dos acontecimentos, prova inequívoca da veracidade dos fatos. Jesus é Deus!

É tanta lição a colher neste relato, que circunstanciá-la em pormenores, fugiria ao propósito da coluna, que, humildemente, tenta apenas dar sinais ligeiros e rápidos, que talvez auxilie o leitor num possível aprofundamento da reflexão.

Uma primeira e importante ilação: a de que ter paz é a excelência das condições para se viver, exatamente a paz que emane dele e por causa dele: Jesus Cristo.

A paz de Jesus não exclui contratempos que possam advir nem garante um mar de rosas ao longo da vida. Ela assegura, isto sim e com toda certeza, que, depositada a confiança total nele, jamais o fiel se perderá ou deixará de ter forças e meios de manter-se.

Não sem motivo, portanto, que Jesus enfaticamente repita a saudação duas vezes e quase seguidas.

Em suma, viver em paz não significa ausência de problemas. Importa saber como encarar as adversidades, cuidando de se estar muito estreitamente junto a Jesus, constante e confiantemente.

Nessa breve aparição de Jesus, na verdade Ele conclui sua missão terrena e sopra sobre eles, dizendo: “Recebei o Espírito Santo” e autoriza os apóstolos oficialmente a que passem a agir em seu nome: a quem fossem perdoados os pecados eles lhe serão perdoados e a quem não os perdoardes eles lhe serão retidos. Os discípulos, assim, consagram-se como os primeiros sacerdotes da Igreja Católica.

Proclama Jesus por fim bem-aventurados todos que creiam sem ter visto o Mestre e os seus prodígios. Estes se alimentam pela fé, dom e graça inigualáveis concedidos por de Deus aos seus seguidores.

João Paulo.

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

22 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio