Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 7 de junho de 2012

Os filhos e as filhas de Maria

X DOMINGO DO TEMPO COMUM

Junho, 10.   2012

Evangelho (Marcos, 3, 20-35)

..................................................................................................,,,,,,,

“”  Naquele tempo, Jesus voltou para a casa com os seus discípulos. E de novo se reuniu tanta gente, que eles nem sequer podiam comer. Quando souberam disso, os parentes de Jesus saíram para agarrá-lo, porque diziam que estava fora de si. Os mestres da lei, que vinham vindo de Jerusalém, diziam que ele estava possuído por Belzebu e que pelo príncipe dos demônios ele expulsava os demônios.

Então Jesus os chamou e falou-lhes em parábolas:

“Como é que satanás pode expulsar a satanás? Se um reino se divide contra si mesmo, ele não poderá manter-se. Se uma família se divide contra si mesma, ela não poderá manter-se. Assim, se satanás se levanta contra si mesmo e se divide, não poderá sobreviver, mas será destruído. Ninguém pode entrar na casa de um homem forte, para roubar seus bens, sem antes o amarrar. Só depois poderá saquear sua casa. Em verdade vos digo, tudo será perdoado aos homens, tanto os pecados como qualquer blasfêmia que tiverem dito. Mas quem blasfemar contra o Espírito Santo nunca será perdoado; será culpado de um pecado eterno”.

Jesus falou isso porque diziam: “Ele está possuído por um espírito mau”.

Nisso chegaram sua mãe e seus irmãos. Eles ficaram do lado de fora e mandaram chamá-lo. Havia uma multidão sentada ao redor dele.

Então lhe disseram:

“Tua mãe e teus irmãos estão lá fora à tua procura”.

Ele respondeu:

“Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?”

E, olhando para os que estavam sentados ao seu redor, disse:

“Aqui estão minha mãe e meus irmãos. Quem faz a vontade de Deus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.  “”

..........................................................................................................

Uma primeira estranheza nas expressões dessa passagem, pode acontecer, com a menção a irmãos de Jesus.

Prende-se o texto, no entanto, a costume judaico de se referir a parentes próximos, na mesma qualidade de irmãos, que de nascimento assim não eram.

No mais, eis aí mais uma cena que se repete em todo o Novo Testamento, a culminar com a crucifixão de Jesus, tamanha a animosidade e ciumeira dos falsos líderes do templo. Os mestres da lei e sacerdotes, com sua maldade, eles sim serviam muito mais aos demônios com a sua repulsa a Jesus. Este, evidentemente, lhes conhecia os pensamentos e percebia que só da boca para fora execravam o maligno e sua corte.

Tampouco não se depreenda equivocadamente o fato de que Jesus tenha dito que sua mãe, irmã e irmãos fossem os que estavam ao seu redor a ouvi-lo. Na verdade, com essa expressão, Jesus chamou a si todos os sinceros e humildes que o escutassem e seguissem, com tanta estreiteza, a modo de constituir-se de fato numa verdadeira e ampla família.

Ademais, Nossa Senhora e João ao pé da cruz, Jesus a eles se dirigiu, como mãe e filho, a estender generosamente a todos os homens a filiação adotiva à Virgem Maria.

Em suma, porque filhos então de Maria, a humanidade como tal se irmana.

E como tal – filhos – dela pedimos a bênção de mãe.

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

15 dias atrás

Olhemo-nos de frente

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio