Colunistas

Publicado: Sábado, 24 de setembro de 2016

Os dois lados

Os dois lados

 

 

26º. DOMINGO DO TEMPO COMUM

25.9.2016 – Liturgia do Ano “C”

Evangelho cfe. Lucas, 16, 19-31

...............................................................................................................................

“”    Naquele tempo, Jesus disse aos fariseus:

Havia um homem rico que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias.

Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão à porta do rico.

Ele queria matar a fome com as sobras que caíam da mesa do rico. E, além disso, vinham os cachorros lamber suas feridas.

Quando o pobre morreu, os anjos levaram-no para junto de Abraão.

Morreu também o rico e foi enterrado.

Na região dos mortos, no meio dos tormentos, o rico levantou os olhos e viu de longe a Abraão, com Lázaro ao seu lado.

Então gritou:

´Pai Abraão, tem piedade de mim! Manda Lázaro molhar a ponta do dedo para me refrescar a língua, porque sofro muito nestas chamas’.

Mas Abraão respondeu:

´Filho, lembra-te que tu recebeste teus bens durante a vida e Lázaro, por sua vez, os males. Agora, porém, ele encontra consolo e tu és atormentado. E, além disso, há um grande abismo entre nós: por mais que alguém desejasse, não poderia passar daqui para junto de vós, e nem os daí poderiam atravessar até nós´.

O rico insistiu:

´Pai, eu te suplico, manda Lázaro à casa do meu pai, porque eu tenho cinco irmãos. Manda preveni-los, para que não venham também eles para este lugar de tormento´.

Mas Abraão respondeu:

´Eles têm Moisés e os profetas, que os escutem!´

O rico insistiu:

´Não, pai Abrahão, mas, se um dos mortos for até eles, certamente vão se converter´.

Mas Abraão lhe disse:

´Se não escutam a Moisés nem aos profetas, eles não acreditarão, mesmo que alguém ressuscite dos mortos´”    “”

...............................................................................................................................

Situações existem em que os mortais estarão num dos lados, no da crença ou da indiferença.

Para o segundo grupo, aquele que inclui quem nem ao menos se importe em saber ou desconhecer, acreditar ou não, ou, ainda, simplesmente jamais refletir ao menos nessas premissas, a vida simplesmente segue e pronto.

Talvez não seja tão pequeno, contudo, o contingente das pessoas que acreditam nas verdades eternas, pregadas pela Igreja Católica, sem que entretanto e mesmo apesar disso, vivam efetivamente o seu credo.

Essa categoria de pessoas, não contrárias à religião mas também não apegadas, convive até razoavelmente com quem procure ser fiel à missão preconizada por Jesus. Um todo, por isso, de certa forma, um tanto confuso.

O que se supõe intenção firme e sem meios termos, neste evangelho, recai mesmo sobre a inexorabilidade de serem ou se tornarem todos necessariamente seguidores fiéis do Mestre.

Vige aquela máxima de que fora de Jesus não existe salvação.

Nenhum prazer nem ousadia de oferecer críticas à liberdade individual e por vezes aqui e ali coletivamente, por parte daqueles que se abstraem da necessidade de crer.

                                                                                                                             João Paulo      

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

17 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio