Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Os bolinhos de bacalhau

Serafina era uma pobre e esquelética mulher. Tudo nela era fino quase sumindo. Os braços, as pernas, o pescoço e todo o resto.

Vizinha e amiga, Faustina era muito diferente dela. Gorducha, estava sempre alegre, de bem com a vida.

Era quituteira. Ganhava a vida fazendo doces e salgados para vender. Seus petiscos eram afamados, ela mal dava conta das encomendas, e, quando chegava a temporada de férias na cidadezinha praiana onde morava, as vendas aumentavam muito e ela contratava algumas pessoas para ajudarem.

Foi assim que, naquele movimentado dia de Dezembro ela lembrou-se da amiga, tão pobre, necessitando tanto ganhar um dinheirinho extra:

- Eu lhe pago por dia, conforme a sua produção.

- Mas, será que eu acerto fazer os salgadinhos?

- Acerta sim! Turista come qualquer coisa, nem que não esteja muito bom.

- Vou pensar.

Mas, já começava a matutar:

- Por que trabalhar para a Faustina quando posso fazer por minha conta e ganhar mais?

Sem querer a vizinha lhe dera a dica quando comentara:

- Os bolinhos de bacalhau são os mais procurados. Uma dúzia de bolinhos por cinco reais...

- Isso mesmo, vou fazer bolinhos de bacalhau!

Chegando no supermercado, a coitada ficou abismada. Como era caro! O dinheiro que tinha, mal deu para comprar um quilo de farinha, meia dúzia de ovos, uma lata de óleo... E o bacalhau? Que absurdo! Nunca pensei que fosse tão caro! Mas, a sardinha estava em oferta. 1,99 o quilo. Comprou meio quilo, pensando:

- Turista come qualquer coisa. Nem vão perceber a diferença.

E, mãos à obra! Vamos aos bolinhos.

Não tinha ideia de como fazê-los, mas, acabou fazendo uma massa de farinha com água e sal e recheou com a sardinha mais ou menos limpa e temperada.

Fritou-os no óleo e achou que eles até que ficaram com boa aparência.

Pretendia fazer 4 dúzias, mas quando foi embalar percebeu que tinha errado na conta, faltou um bolinho.

E agora? Que fazer? Não é que ela fosse desonesta, mas a única solução era fazer uma das embalagens com onze bolinhos. E foi o que fez.

Colocou tudo numa cestinha coberta com um pano branco como ela viu os outros vendedores fazerem e foi para a praia.

Uns rapazes meio bêbedos a chamaram:

- Ei! magricela! Traz essa gororoba pra nós!

Serafina não gostou muito dos seus modos, mas ficou feliz fazendo sua primeira venda.

Guardou os cincão, pensando:

- Já desempatei o material. O resto será lucro.

Passou por um casal com um garotinho que pediu:

- Quero bolinho!

A mãe ignorou a presença da Serafina parada à sua frente com a cestinha na mão:

- Espere um pouco que a gente compra da Faustina, que a gente já conhece.

- Mas estes foram feitos pela Faustina. Eu só estou ajudando ela vender, mentiu.

- Se é assim eu fico com uma embalagem.

- Oba! A metade já foi vendida! Amanhã vou fazer mais.

Mais uma voltinha e um casal que passava pediu:

- Cinco reais? Ficamos com uma dúzia.

Já a caminho de casa foi abordada por uma senhora muito distinta que saia da
Igreja:

- Bolinhos de bacalhau? Eu adoro!

E lá se foi o ultimo pacote.

Serafina, feliz, com seu dinheirinho na carteira, já fazia planos para no dia seguinte dobrar a produção.

Mas, sua alegria durou pouco.

De repente sentiu-se agarrada pelo braço:

- Sua trambiqueira magricela! Então isto aqui é bolinho de bacalhau? Devolva já o nosso dinheiro se não quiser apanhar.

O bêbado jogou os bolinhos meio mordidos na sua cestinha enquanto seus companheiros mal-encarados esperavam o resultado.

Tremendo ela abriu a carteira, mas, antes que pudesse pegar o dinheiro ele arrancou-a de sua mão:

- Nós não somos assaltantes, só estamos fazendo isso para você aprender a não trapacear mais.

E a coitada mais magra e infeliz do que nunca voltou para casa sofrendo o seu fracasso.

No dia seguinte um senhor desconhecido bateu a sua porta:

- Sou fiscal da Vigilância Sanitária e estou aqui para examinar as instalações onde a senhora faz os bolinhos que vende na rua.

- Eu não tenho instalações especiais. Fiz na cozinha de minha casa.

- A senhora não sabe que é proibido vender coisas sem licença? Se for alimento tem que ter o alvará da vigilância sanitária.

- Eu não sabia. Muita gente trabalha assim.

- Mas houve uma denúncia. Uma senhora deu os bolinhos para a cachorrinha e ela morreu!

- Meu Deus!

O fiscal acabou ficando com pena dela e arquivando a denúncia.

Mas não parou por aí.

De repente a Faustina invadiu a casa gritando:

- Sua mentirosa sem vergonha, então você vende sardinha por bacalhau e ainda diz que fui eu que fiz?

E a amizade de tantos anos se desfez para sempre.

Dias depois, quando já estava esquecendo o vexame, Serafina encontrou com a beata que lhe disse em voz baixa:

- Você não devia enganar as pessoas, pois isso é pecado e os pecados podem nos levar ao inferno.

- Por que a senhora diz isso?

- Porque a dúzia de bolinhos que me vendeu tinha só onze.

Serafina, sem responder deu-lhe as costas e foi embora.

Dizer o que? Pedir desculpa? Perguntar se gostou dos bolinhos?

Quanto ao inferno, será que já não foi suficientemente castigada?

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida