Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 29 de junho de 2009

Onze de setembro

Na grande capital, o dia começava alegre, cheio de vida. Numa lanchonete uma família toma o café da manhã.
 
Patrick, de quatro anos, insiste:
- Eu quero um sorvete!
- Não é hora de sorvete! Tome seu suco que depois do almoço você tomará sorvete.
- Mas eu quero o sorvete agora!
- Mas não pode e acabou!
 
Mary está numa pracinha tranquila com o seu bebê.
O garoto dá os seus primeiros passinhos e ela exclama:
- Que lindo! Vamos contar para o Papai que você já é um homenzinho. Já sabe até andar!
 
Numa escola, os garotos estão tendo uma aborrecida aula de geografia. John não está nem um pouco interessado em saber onde ficam os meridianos e paralelos e faz cócegas com o lápis na nuca da garota que está na frente, fazendo-a rir, virar pra trás e ignorar a aula.
 
O professor chama a atenção de John e, quando se volta para escrever no quadro negro, o garoto faz uma bolinha de papel e atira na sua costa...
 
Willian e Sandy tiveram logo cedo uma discussão porque ele queria comprar um barco de pesca, ela queria reformar a casa e o dinheiro que tinham não dava para as duas coisas. Ele acabou zangando-se e sai puxando, com toda força, a porta atrás de si...
 
Gregory e Anne haviam brigado na véspera. Anne pensou que o namoro não teria volta, mas, logo de manhã, um mensageiro toca à sua porta com um lindo buquê de flores e o pedido de desculpas de Gregory...
 
Mas, Anne não ouviu a campainha soar, nem Sandy, a porta bater... Não haveria uma reconciliação... Nem um barco... Nem uma casa reformada...
 
De repente, não importava mais se John estava aprendendo geografia ou não...
A bolinha de papel não chegou a seu destino... A última travessura de John não se consumou...
 
O Papai nunca saberia que seu baby já sabia andar... Nem Patrick tomaria o seu sorvete depois do almoço...
 
De repente tudo mudou. Valores, sonhos, desejos, obrigações, promessas, mágoas, tudo se tornou pequeno diante da monstruosidade do que aconteceu.
 
A cidade se cobriu de cinzas, de pó, de lágrimas... E o 11 de Setembro ficou marcado para sempre com o estigma da violência, do luto, da saudade e da dor.
 
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida