Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Olho Gordo

Crédito: Domínio Público Olho Gordo
Olho grego

Minha pimenteira secou. Do nada!  Só pode ser olho gordo... Murcha e desenxavida, a pimenteira pende a cabeça no canto da sala. Tem gente que acredita e outros que pensam ser coisa de ignorante.

Olho gordo, mau-olhado ou quebranto são termos usados para descrever os efeitos causados pela inveja, ciúme e raiva, entre outros sentimentos. Mal-estar, dores nos ouvidos, olhos e cabeça, desmaios, entorpecimento dos membros, palpitação, redução de calor do corpo, fraqueza, bocejos, medo excessivo, fracasso profissional ou nos relacionamentos, ferimentos ou até mesmo a morte, são alguns deles.

Associado à ideia de "secar com os olhos", o olho gordo representa uma forma de impedir a nutrição continuada de uma relação de prosperidade, por meio da retirada da umidade: seca, murcha, definha.

Tradições filosóficas e religiosas milenares afirmam que sentimentos e pensamentos são energia e, portanto, capazes de atingir os seres vivos e até os objetos – de forma negativa ou positiva - independente da utilização dos olhos.

Universalmente conhecido, o mau-olhado é o mal de ojo, na Espanha, mal-occhio, para os italianos, evil eye para os ingleses e mati, para os gregos.

Em todas as culturas foram criados amuletos contra o olho gordo, como as figas - consideradas as mais poderosas e usadas pelos antigos romanos -  elefantes, sal grosso, cristais ou o nazar – conhecido como "olho turco" ou "pedra contra o mau-olhado".

Entre os judeus, as tefelins e as mezuzás são símbolos de proteção contra a inveja. Na China, a inveja é conhecida como o mal do olho avermelhado. Os monstros e os personagens maus têm olhos grandes e avermelhados como sangue.

Também são creditados poderes protetores a algumas plantas como comigo-ninguém-pode, pimenteira vermelha, espada-de-são-jorge, arruda, alecrim e guiné.

A sua pimenteira secou? Por via das dúvidas, que tal colocar um vaso de espada-de são-jorge na frente da sua casa e carregar uma figa na carteira?

Comentários

História & Cotidiano

Katia Auvray

Katia Auvray

Historiadora e escritora. Autora dos livros "Cidade dos Esquecidos - A vida dos hansenianos num antigo leprosário do Brasil" e da coleção infanto-juvenil "Magia da História", sobre a história da cidade de Salto/SP. Também é Mestre Reiki.

Arquivo

17 de março de 2019

Ocaso

15 de março de 2019

A arte de cozinhar

8 de março de 2019

O presidente e o twitter

5 de março de 2019

Receita de sucesso

26 de fevereiro de 2019

Os bichos vão para o céu?