Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 5 de julho de 2010

Olha a boca menino!

Olha a boca menino!

Posso assegurar ao leitor que isso de olhar o mundo com o frescor do estranhamento não é nenhuma promessa nem tão pouco acredito seja praga de algum desafeto; é, pura e simplesmente, um jeito de olhar; o meu jeito.

Percebo que isso às vezes pode dar a impressão de que almejo ser um polemista, falsa impressão; nunca almejei ser um polemista. Contudo, reconheço que o mundo no qual vivemos é polêmico.

Se não é assim, então como aceitar a idéia de que uma cor, uma única e simples cor, possa concentrar em si tudo de negativo? “Ih! A coisa tá preta!” Basta que algo ande fora do programado e já logo alguém se incumbe de advertir com ares de pesar: “Ih... A coisa está ficando preta”. Coitado do preto... Tem as costas largas.

Não consigo resistir à tentação de sugerir que isso seja um preconceito ligado aos remotos tempos da escravidão; deve ser desde lá que a cor negra carrega esse fardo.
Tem gente que já percebeu isso e não anuncia que a coisa está preta, mas diz que está ficando russo. Pois o infeliz faz o mesmo que o motorista desafortunado que desvia de um buraco para deixar-se cair em outro. Algo não anda como deveria andar e lá vem o diagnóstico: “Ih... Tá russo!” Neste caso, a filiação ideológica da expressão é patente e inegável. É bem verdade que já vai longe os tempos da bipolarização mundial, mas a expressão resiste e acentua uma visão politicamente comprometida. Cuidado com o que fala! Mesmo sem querer as palavras comprometem.

Atenção redobrada com as expressões consagradas! Alguém toma uma atitude valente e já logo sentenciam: “O cara foi muito macho!”. Diante de um desafio já dizem logo: “Para fazer isso tem que ser muito homem!” Eu pergunto ao leitor de onde vem essa idéia de que o homem é mais valente que a mulher? Por acaso, não são elas que sofrem as dores do parto? Afinal não são elas que sobrevivem, a séculos, num mundo machista, patriarcal e sexista?

Receio que o leitor tenha me acompanhado até aqui e pense consigo mesmo: “Puxa, ele está coberto de razão!” Quem pode garantir que a razão seja a instância mais apropriada para tomarmos decisões? Por que não o coração? Afinal, o mundo que foi erigido pela primazia do pensamento racional não é exatamente um paraíso. Será que o que falta não é um pouco menos de razão e um pouco mais de fantasia? De sonho? De coração? Por que “coberto de razão” e não “coberto de intuição”?

Quem diria que falar pudesse ser tão perigoso? Então falou tá falado.

Comentários

O olhar de um nariz

Nando Bolognesi

Nando Bolognesi

Palhaço profissional e na vida. Fez parte do elenco dos Doutores da Alegria de 2001 a 2005. Trabalhou de 2005 a 2008, sempre como palhaço, com usuários de atendimento psiquiátrico. Faz parte do elenco do espetáculo de palhaços Jogando no Quintal.

Arquivo

27 de abril de 2012

Êxodo Rural

29 de março de 2012

Até tu, SESC?

5 de abril de 2011

A arte do desencontro V

28 de fevereiro de 2011

A arte do desencontro IV