Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

O Xará

O técnico de computador apresenta-se na casa onde foi chamado para um serviço.
 
 - Bom dia! Meu nome é Môzar...
No momento seguinte um enorme cachorro aparece correndo e pula-lhe no ombro.
O rapaz assusta-se e a moça agarra o cachorro rindo:
- Não tenha medo. Ele é manso. Acontece que ele também se chama Môzar e, quando ouviu seu nome pensou que você o estivesse chamando.
 - Ah!
 - Interessante! Nunca conheci ninguém com esse nome. Pensei que o meu Môzar não tivesse um xará
 - Era o nome de meu avô. Meu pai quis homenageá-lo. Também não conheço outro Môzar.
Sorri amarelo.
- Isto é, agora conheci...
A moça dá uma gargalhada.
- Meu nome é Julieta. 
O cachorro corre a volta dos dois, excitado por ouvir tantas vezes o seu nome.
- Vamos entrar! Por aqui, Môzar!
- Por aí não, Môzar
O rapaz detêm-se, olhando para ela, sem entender bem.
Oh! Eu estava falando com o cachorro, você entra por aqui..      
Môzar acompanha a moça e o cachorro vem logo atrás.
Chegam ao escritório e o rapaz senta-se diante do computador.
- Aí não Môzar!
 Levanta-se e olha para ela meio aturdido.
- Oh! Eu falei com o cachorro que estava querendo subir no sofá. Você pode sentar-se ao computador, é claro!
- Você quer uma almofada, Môzar?
O moço não responde. Ela devia estar falando com o cachorro.           
– Não quer, Môzar? Essa cadeira é um pouco baixa.
- Oh sim, aceito!
- Aqui está, Môzar!
Mas, antes que ele sentasse o Môzar (cachorro) adiantou-se, subiu na cadeira e ficou olhando marotamente para ele.
- Môzar! Desça já daí!
- Desculpe, mas o Môzar não sabe que mais alguém pode ter o nome dele, cada vez que falo com você ele pensa que é com ele.
O Môzar (gente) pensa:
Eu, também, nunca sei se ela está falando comigo ou com o cachorro.  - Môzar! Você quer tomar um leitinho?
- Não, obrigado, não tomo leite.
-Oh! Eu falava com o cachorro. Você aceita um café? Um suco? Uma água?
-Não, obrigado (o que ele queria era acabar de uma vez com aquilo).
Enquanto Môzar trabalhava, Julieta brincava com o cachorro.
O rapaz assustava-se cada vez que ouvia o seu nome (será comigo ou com o cachorro?).
 - Môzar! Você está estragando o tapete!
Aturdido o moço olha para os próprios pés, para o tapete e para ela.
Ela ri:
- Eu falava com o cachorro. Ele estava mordendo o tapete.
- Ah!
Eu vou sentar mais perto para ver o que você está fazendo, Môzar.
Mas, quando puxa a cadeira, quem sobe é o cachorro e põe as patas sobre o teclado.
- Sai daí Môzar! Você não entende nada de computadores.
Môzar (o técnico) sente-se desconfortável.
Julieta quer fazer perguntas, mas não consegue porque o cachorro está sempre entre eles.
Ela ri, divertida:
- O Môzar é muito ciumento.
- Môzar! Eu sei que você está querendo fazer xixi. Vá lá fora, vamos!
O moço percebeu logo que era com o cachorro, mas não pôde evitar um leve constrangimento que ela percebeu e quis ser gentil:
O banheiro é logo ali, Môzar!
 - Sei, obrigado! (droga de computador que não pára de dar defeito!).
Mas, como tudo na vida tem fim, Môzar conseguiu terminar o serviço e ir embora.
Ufa!
Julieta acompanhou-o até o portão. (Ela e seu indesejável canino)
Despediu-se rapidamente, entrou no carro e já ia saindo quando ouviu que ela chamava:
- MÔZAR!
- Abriu o vidro e atendeu-a
- Oi!
- Não é com você. O Môzar escapou!
Não agüentava mais! Acelerou o carro, mas teve de brecar de repente, pois o Môzar atravessou a sua frente, seguido da dona, é claro.
Que droga! Atropelar este cão até que era pouco, mas matar a sua dona, também, já era demais!
E foi embora resmungando:
- Não sei por que essa mania de homenagear antepassados colocando nomes esdrúxulos. Meu avô não podia chamar-se Zé Antônio?
Mas, também, NUNCA MAIS hei de ver essa Julieta e seu nojento cachorro!
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida