Colunistas

Publicado: Sábado, 30 de julho de 2016

O transitório e o perene

O transitório e o perene

 

18º. DOMINGO DO TEMPO COMUM

31.7.2016 – Liturgia do Ano “C”

Evangelho segundo Lucas, 12, 13-21

...............................................................................................................................

“”    Naquele tempo, alguém, do meio da multidão, disse a Jesus:

“Mestre, dize ao meu irmão que reparta a herança comigo”.

Jesus respondeu:

“Homem, quem me encarregou de julgar ou de dividir os vossos bens?”

E disse-lhes:

“Atenção! Tomai cuidado contra todo tipo de ganância, porque, mesmo que alguém tenha muitas coisas, a vida de um homem não consiste na abundância de bens”.

E contou-lhes uma parábola:

“A terra de um homem rico deu uma grande colheita. Ele pensava consigo mesmo: Ó que vou fazer? Não tenho onde guardar minha colheita´.

Então resolveu:

´Já sei o que fazer! Vou derrubar meus celeiros e construir maiores; neles vou guardar todo o meu trigo, junto com os meus bens.

Então poderei dizer a mim mesmo: Meu caro, tu tens uma boa reserva para muitos anos. Descansa, come, bebe, aproveita!´

Mas Deus lhe disse:

 ´Louco! Ainda nesta noite, pedirão de volta a tua vida. E para quem ficará o que tu acumulaste?´

Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico

diante de Deus”.    “”

...............................................................................................................................

Muito a propósito todas as citações de textos dos evangelhos, - Novo Testamento, - encerram-se com a forte e significativa expressão :

“Palavra de salvação”.

Uma a uma das pessoas que leiam e reflitam sobre a mensagem de hoje, fatalmente com maior ou menor ímpeto, hão de reconhecer que por primeiro se pisa o solo terreno com certeza de permanência, para depois, se isso acontecer até, levantar a vista, o coração e a mente, para a vida eterna.

Aquela que não cessará jamais.

Daí que se faz imperiosa a necessidade de, sem abandono de um modo de vida correto, sereno e consciente (feliz acima de tudo), também quedar-se intimamente consigo mesmo sobre a vida futura, aquela, preciosa, que não terá fim.

Em resumo: natural, consequente e cabível o cuidado de si e de seu bem-estar, disponibilizado também para a caridade com terceiros, porém sem nunca, jamais, de modo algum, descurar da realidade inarredável de que aqui em baixo tudo passa.

E que acima de tudo essa fatuidade terrena não desanime nem assuste ninguém.

Deus está ao alcance de todos, sempre.

                                                                                             João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

18 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio