Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 26 de agosto de 2013

O tempo é fugaz

 

XXI DOMINGO – TEMPO COMUM

25.8.2013    -    Liturgia do  Ano “C”

Evangelho (Lucas, 13, 22-30)

.............................................................................................................................

“”   Naquele tempo, Jesus atravessava cidades e povoados, ensinando e prosseguindo o caminho para Jerusalém.

Alguém lhe perguntou:

“Senhor, é verdade que são poucos os que se salvam?”

Jesus respondeu:

“Fazei todo esforço possível para entrar pela porta estreita. Porque eu vos digo que muitos tentarão entrar e não conseguirão. Uma vez que o dono da casa se levantar e fechar a porta, vós, do lado de fora, começareis a bater, dizendo: ´Senhor, abre-nos a porta!´ Ele responderá: ‘Não sei de onde sois´.

 Então começareis a dizer: ‘Nós comemos e bebemos diante de ti e tu ensinaste em nossas praças!´ Ele, porém, responderá: ‘Não sei de onde sois. Afastai-vos de mim todos vós que praticais a injustiça!´ Ali haverá choro e ranger de dentes quando virdes Abraão, Isaac e Jacó junto com todos os profetas do reino de Deus e vós, porém, sendo lançados fora. Virão homens do oriente e do ocidente, do norte e do sul, e tomarão lugar à mesa no reino de Deus. E assim há últimos que serão os primeiros e primeiros que serão os últimos”.

...............................................................................................................................

Desta vez soam estranhas as palavras duras de Jesus, de quem todos se habituam a ouvir sempre um tratamento carinhoso, de muita intimidade e deveras convidativo.

Por que então haveria de até assustar os seus filhos com advertência tão aguda e repetitiva, um verdadeiro alerta do começo ao fim?

Torna-se necessário, nesta mensagem, refletir e meditar mais profundamente, para se entender que, no fundo, esse aconselhamento firme do Mestre não é senão resultado do empenho dele em que todos se salvem.

Ora, vive-se na terra e a humanidade se inclina muito mais a cogitar de manter uma solidez e segurança, como se fossem os homens imortais. Esquecem-se todos de que tudo é por demais passageiro, mesmo que alguns consigam riqueza, longevidade e saúde. Um dia, todos definham.

Este trecho do evangelho, pois, cumpre o necessário e oportuno alerta para que se reconheça da precariedade da vida humana.

Jesus, pois, adverte porque ama.

Afinal, não é voz corrente por aí que quem avisa amigo é?

                                                                                              João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

18 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio