Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

O tempo das nossas vidas

O tempo das nossas vidas
Caminhar para desejar o ponto de partida

Ainda que incomode algumas pessoas, retomo alguns assuntos propositalmente. “Todos temos dentro de nós temas que retornam, ressurgem, transfigurados, com diversas máscaras e roupagens, e insistem em aparecer: são os fantasmas de cada um” (Lya Luft). 

Tenho insistido na reflexão sobre o tempo. Talvez as despedidas forçadas e as escolhas assumidas tenham inspirado e reforçado em mim, ainda mais, o desejo de compreendê-lo: se é que o tempo pode ser compreendido. 

O fato é que o excesso das coisas a cumprir nos induz à sensação de que o tempo parece estático, imediato e que a vida é apenas então o que vivemos hoje. Não é verdade. A vida pode ser longa ou curta demais, não importa, porque ela é também o ontem e o amanhã. É o tempo da juventude, das amizades distantes e do carinho da mãe que já morreu. Ela é o tempo em que muitos de nós brincávamos nas ruas tranquilas da cidade ou vestíamos o primeiro uniforme escolar. É a boneca e o carrinho que ficaram no baú, e é também a imagem eternizada dos primeiros passos, das primeiras palavras desses nossos filhos que de repente acordam crescidos. 

Por isso, em muitas situações, percebemos a movimentação desse tempo. É como se tivéssemos revisitando as escolhas realizadas, as atitudes tomadas e as verdades construídas ao longo da vida. É quando descobrimos que passamos um longo período investindo no desenvolvimento intelectual, material e social sem dar conta do tempo a correr. E ele corre; como corre.  “O tempo tem uma boca imensa. Com sua boca do tamanho da eternidade, ele vai devorando tudo, sem piedade. O tempo não tem pena. Mastiga rios, árvores, crepúsculos. Tritura os dias, as noites, o sol, a lua, as estrelas. Ele é o dono de tudo. Pacientemente ele engole todas as coisas, degustando nuvens, chuvas, terras, lavouras. Ele consome as histórias e saboreia os amores. Nada fica para depois do tempo. As madrugadas, os sonhos, as decisões duram pouco na boca do tempo...” (Bartolomeu Campos Queirós)

O tempo que é inexorável tem me incomodado ultimamente... Primeiro, pelas marcas, embora tatue as histórias das nossas vidas, não deixa de nos perturbar a cada olhada de canto no espelho. Não pela beleza que se evapora, mas pela constatação de que o corpo não vai aguentar a realização dos desejos da alma. E segundo, pelas lembranças que volta e meia invadem os sentimentos, provocando a dor e a alegria da saudade (...).

Mas, a inexorabilidade do tempo se mostra mesmo quando descobrimos as delícias da ingenuidade, da liberdade do não saber, do “eterno domingo” e do barulho do silêncio. Nesse ponto, como que em desespero extremo, traçamos um investimento oposto: expulsamos conscientemente o sucesso, o poder, a fama, o prestigio social. E desejamos menos, quase nada. Exatamente como começamos.

Talvez a explicação da vida seja mesmo essa: percorrer um longo caminho para desejar o ponto de partida. “Não será verdade que todos os que podem andar têm de já ter percorrido este caminho?” (Nietzsche)

Comentários

Conversas Entrelinhas

Mércia Falcini

Mércia Falcini

Psicopedagoga com Especialização em Formação de Professores e Sistema de Gestão. Atualmente é Diretora da Consultoria e Assessoria Saberes, Membro Fundador da Academia Saltense de Letras e colunista do site Itu.com.br.

Arquivo

14 de março de 2016

A corrida aos cinquenta

1 de outubro de 2015

Um filho gay: dores e amores

8 de dezembro de 2014

Refazendo as verdades

6 de março de 2014

A dor da perda

14 de fevereiro de 2014

A Pata do Elefante