Colunistas

Publicado: Terça-feira, 3 de agosto de 2010

O sequestro

Com a mochila de lanche na costa, Bruno saiu de casa correndo rumo a Escola, pois já estava atrasado, mas, quando virou a esquina viu, decepcionado, que o ônibus de excursão já ia saindo.

Já estava pensando tristemente em voltar para casa, quando um carro parou junto a ele e um rapaz bem apessoado ofereceu:
- Perdeu o ônibus, garoto? Entre ai que eu levo você...

Sem pensar duas vezes Bruno entrou no carro, mas, percorridos poucos quarteirões percebeu que o rapaz dirigia-se para outro lado da cidade.
- Ei! Não é por ai! É lá no parque, perto da represa!

- Fique quieto! Se fizer barulho eu te mato.

O rapaz mostrou-lhe um revólver e Bruno ficou paralisado de medo.

Fique calmo. Se colaborar não vou fazer nenhum mal para você.
- O que você vai fazer comigo?

- Nada. Nós vamos até uma casa abandonada, daí você vai ligar para sua casa e pedir que seu pai coloque um dinheiro em um lugar que vou determinar. Assim que eu pegar a grana você ficará livre.

Bruno tentou telefonar, mas ninguém atendeu.
- Meu pai está trabalhando e a minha mãe deve ter saído de casa.

- Não faz mal. A gente espera.

A mãe de Felipe, já há algum tempo estava preocupada com ele.

Estava saindo com uns amigos de comportamento duvidoso, chegando tarde em casa, faltando na escola e ela desconfiava até que ele estivesse usando drogas..

O pai não queria nem ouvir falar nisso. Para ele o filho estava acima de qualquer suspeita:
- Você tem coragem de pensar mal de nosso filho?

- Estou preocupada com ele. Só isso.

- Pois fique tranquila e dê graças a Deus pelo filho maravilhoso que temos.

Quando ele completou dezoito anos tirou a carta de motorista, o pai liberou o carro para ele usar a vontade e ele começou a passar as noites fora para angustia da mãe..

O pai parecia achar normal o que o filho fazia..
- Coisas de rapaz! Deixe ele se divertir.

Mas, Felipe realmente estava indo por um caminho muito perigoso.

Fez amizade com um grupo de rapazes viciados em droga e de péssimo comportamento.

Já se envolvera em pequenos furtos para comprar droga e os amigos diziam que bom mesmo era sequestrar uma criança. Os pais ficavam tão nervosos que davam tudo o que se pedia e fechava a boca com medo da represaria.

Fizeram vários planos que não se concretizaram e agora ele tinha resolvido sequestrar o menino, só que não sabia bem o que fazer com ele.

E se o pai chamar a polícia?

Um frio percorreu-lhe a espinha:
- E se eu for preso?

As horas foram passando.

Bruno tentou mais algumas vezes, mas ninguém atendeu ao telefone na sua casa.

- Você não está com fome?

- Não

- Pois eu estou. Vamos repartir seu farnel? O lanche que as mães arranjam sempre dá para dois.

Acabaram comendo juntos.

Bruno já não sentia medo. O rapaz era muito jovem e não tinha cara de bandido.

Começaram a conversar. Felipe acabou contando que era o primeiro crime que cometia e que o revolver era de brinquedo.
- Uma imitação fajuta que só mesmo um bobinho feito você ia acreditar que fosse uma arma.

Riu, mas o Bruno estava muito sério.
- E você acha que é bom ser bandido?

A palavra "bandido" machucou o Felipe. Protestou:
- Eu não sou bandido!

- Desculpe!

Tirou do bolso um pacotinho e ofereceu ao Bruno:
- Cheire! É muito gostoso!

- Eu não! Isso é droga! Deixa a gente doente e maluca. Às vezes faz até a gente cometer crimes sem querer.

Felipe deu uma gargalhada:
- Você aprendeu bem a lição do Pastor.

- Não foi o Pastor que disse isso. Foi meu pai. Ele disse que se eu visse alguém se drogando, que dissesse isso a ele.

Felipe continuava rindo, mas a atitude do garoto o impressionou, realmente nada de bom o esperava no caminho que escolhera.

Já estava arrependido da sua proeza e com muito medo das consequências.
- Vamos fazer um pacto?

- Eu não! Não quero ser um marginal. Quero ser respeitado e viver em liberdade.

- Mas você não ouviu o que eu ia lhe dizer. É o seguinte, eu levo você embora e você me promete que não conta nada disto para ninguém.

- E você promete que não cheira mais esse negócio?

- Vou tentar.

- E não vai mais assaltar com esse revólver de mentira?

- Não. De agora em diante vou ser um menino bonzinho do jeito que Mamãe gosta.

Falava com ironia, mas estava realmente convencido de que o caminho do crime não era fácil e já não tinha tanta certeza de que queria continuar por ele.

Sorriu para o Bruno estendendo a mão.
- Felipe! Um amigo!

- Bruno!

Quando Bruno chegou à casa a mãe logo percebeu que ele não tinha ido ao passeio.
- Perdi o ônibus e...

Resolveu contar o que tinha acontecido. Prometera ao Felipe que não contaria, mas para a Mamãe, ele precisava contar.

A mãe ouviu o relato e quando ele terminou disse:
- Você está mentindo! Devia escrever histórias. Mas, agora conte onde você foi, realmente.

- Fui...

Lembrou-se da promessa que fizera ao Felipe e, já que a mãe não acreditou no que ele disse, ótimo!
- Fui brincar na casa do Samuel.

- Quem é Samuel?

- Um colega

- Na próxima vez, quando quiser ir â casa de um colega tem que pedir permissão.

- Ah! E se um desconhecido lhe oferecer carona, não aceite, pois na vida real as coisas nem sempre acabam bem, como na sua história.

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida