Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 24 de março de 2008

O sapato grande

As duas mocinhas olhavam interessadas a vitrine da sapataria..
 
O vendedor aproxima-se, solícito:
- Vamos entrar experimentar alguns modelos!
 
A mais baixinha olha para a outra que diz:
- Eu acho que você devia experimentar este, este e mais aquele. . .
 
A garota pede:
- Me traga o número 42.
 
O vendedor surpreende-se:
- Só temos até o 39.
 
A outra moça sugere:
- Experimente o 39 mesmo, para a gente ver como fica..
- Mas você não calça mais do que 36. Por que quer experimentar o 39?
- É que eu preciso usar sapatos folgados.
- !
 
O rapaz traz os sapatos e ainda insiste:
- Se for para um presente, não precisa experimentar. Eu dou o meu cartão e, qualquer coisa, a pessoa pode trocar.
- Não! Os sapatos são para mim, mesmo.
 
A outra complementa:
- Ela está com uma unha encravada e o médico mandou usar sapatos bem grandes.
 
O rapaz percebeu logo que era mentira e ficou intrigado.
 
Será que era para alguma fantasia, alguma gincana ou coisa que o valha?
 
Não parecia! Para essas coisas as pessoas costumam comprar sapatos baratos e a garota estava experimentando os modelos mais caros, mais modernos, os últimos lançamentos.
 
A menina calçava o sapato, apertava a ponta e perguntava para a outra:
- Que você acha?
 
E a outra respondia:
- Acho que tem que ser maior.
 
O vendedor foi ficando cada vez mais curioso. Que garotas estranhas! Não pareciam estar brincando, pelo contrário, pareciam preocupadas em escolher o sapato certo, mas, que história é essa de querer comprar um sapato tão grande?
 
Ele estava acostumado com mulheres que insistiam em provar um número menor do que deviam. Dai reclamavam que o sapato era incômodo, que a forma era ruim, etc., mas, ele, com muito jeito, acabava sempre induzindo-as a comprar o número certo, e tudo ficava bem.
 
Alguém insistindo em comprar três números maiores do que o seu pé, entretanto, era a primeira vez que via.
 
Enquanto uma experimentava, a outra estava atenta, dando palpites, sugerindo cores e modelos.
 
O vendedor resolveu abordá-la:
- E você? Não quer experimentar um sapato, também? ....
 
Instintivamente, olhou para os pés da moça e. . . De repente. . . Desvendou o mistério...
- Desculpe-me! Infelizmente, não temos o número que você precisa, mas, nesta mesma rua, a três quadras daqui, há uma loja especializada em números grandes, até o 44.
 
A moça lança um olhar fulminante para o pobre rapaz e agarra o braço da outra:
- Vamos embora!
 
Saem, quase correndo pela rua, sem nem mesmo se despedirem
 
E o vendedor fica atônito, na porta, vendo-as afastarem-se:
- Puxa! Será que fiz alguma coisa errada?
 
Com seus muitos anos de experiência em lojas de calçados, pensava que nada mais o surpreenderia, em se tratando de mulher comprando sapato, mas... como estava enganado!
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida