Colunistas

Publicado: Sábado, 10 de julho de 2010

O próximo distante

 Décimo Quinto Domingo Comum, 11 de julho.

A liturgia traz aos fiéis a narrativa de Lucas, contida no capítulo 10,  versículos de 25 a 37.

*   *   *   *   *

“”  Naquele tempo, um mestre da lei se levantou e, querendo por Jesus em dificuldade, perguntou: “Mestre, que devo fazer para receber em herança a vida eterna?”

Jesus lhe disse: “O que está escrito na lei? Como lês?”

Ele então respondeu: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e com toda a tua alma, com toda a tua força e com toda a tua inteligência; e a teu próximo como a ti mesmo!”

Jesus lhe disse: “Tu respondeste corretamente. Faze isso e viverás”.

Ele, porém, querendo justificar-se, disse a Jesus: “E quem é o meu próximo?”

Jesus respondeu: “Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos de assaltantes. Estes arrancaram-lhe tudo, espancaram-no e foram-se embora, deixando-o quase morto. Por acaso, um sacerdote estava descendo por aquele caminho. Quando viu o homem, seguiu adiante, pelo outro lado. O mesmo aconteceu com um levita: chegou ao lugar, viu o homem e seguiu para outro lado. Mas um samaritano que estava viajando chegou perto dele, viu e sentiu compaixão. Aproximou-se dele e fez curativos, derramando óleo e vinho nas feridas. Depois colocou o homem em seu próprio animal e levou-o a uma pensão, onde cuidou dele. No dia seguinte, pegou duas moedas de prata e entregou ao dono da pensão, recomendando: “Toma conta dele! Quando eu voltar, vou pagar o que tiveres gasto a mais”.

E Jesus perguntou: “Na tua opinião, qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?”

Ele respondeu: “Aquele que usou de misericórdia para com ele”.

Então Jesus lhe disse: “Vai e faze a mesma coisa”.

*   *   *   *   *

Tem-se à vista, neste domingo, o trecho de Lucas, localizado acima quanto a capítulo e versículos, - um relato elucidativo e óbvio a mais não poder. Parece obscuro, parece apenas, por força do pouco que interessam enfoques espirituais no geral e bíblicos em particular. Pouco se dá, fale-se a verdade, à religião e, por conseqüência imediata, às seitas e credos tantos. Há hoje um balcão de misericórdias a cada esquina.

Faça-se distinção pois, a que aqui o comentário se refere a credos judiciosos, sérios, no caso aos santos Evangelhos por excelência.

Vai-se enfim de frente ao episódio de hoje, o do socorro ao homem nocauteado por assaltantes e abandonado à beira do caminho.

Tudo surgiu, na parábola, a partir do questionamento de um mestre da lei, de intenção provocativa e não pelo interesse de aprender. Queria saber a douta autoridade, que lhe caberia fazer para obter os céus, a salvação se diga. Desejava classificar-se herdeiro dessa primazia, sinceridade houvesse na pergunta.

É quando Jesus o remete à parábola, desnecessária de agora se a repetir, a cujo final o homem agredido é notado e socorrido por um samaritano. Assinale-se e se atente, que já haviam transitado por ali passantes vários, um deles, sacerdote até. O que os igualou, aos caminheiros anteriores, foi sua gélida indiferença.

Para dar cabo do assunto e trazer estas considerações para o hoje, vê-se que Jesus indaga do outro, qual seria para o ferido o seu próximo.

Perempta a resposta do mestre da lei: aquele que demonstrara carinho e atenção para com o desvalido, mesmo sem o conhecer.

Eis aí o fulcro desta história, a justificar o título dado a esta reflexão, - o próximo distante.

Exatamente. O próximo – e paradoxalmente sempre distante – são todos que embora vivam bem perto dos carentes, não lhes dão um mínimo de atenção. Distantes porque não lhes deitam um olhar sequer e até deles se desviam.

Estão próximos mas são distantes.

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

15 dias atrás

Olhemo-nos de frente

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio