Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 30 de junho de 2011

O Primeiro Papa

XIV Domingo do Tempo Comum.

Festa de São Pedro e São Paulo.

Julho. Dia 3. 2011

*   *   *   *   *   *   *   *   *

“”  Jesus se manifestou aos seus discípulos e, depois de comer com eles, perguntou a Simão Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas mais do que estes?”

Pedro respondeu: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”.

Jesus disse: “Apascenta meus cordeiros”.  E disse de novo a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?”

Pedro disse: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”.

Jesus lhe disse: “Apascenta as minhas ovelhas”.

Pela terceira vez, perguntou a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?”

Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava. Respondeu: “Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo”.

Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas. Em verdade, em verdade te digo, quando eras jovem, tu te cingias e ias para onde querias. Quando fores velho, estenderás as mãos e outro te cingirá e te levará para onde não queres ir”.

Jesus disse isso significando com que morte Pedro iria glorificar a Deus.

E acrescentou: “Segue-me”.  “”

*   *   *   *   *   *   *   *   *

Nas últimas semanas, os evangelhos têm sido sucintos e o deste XIV Domingo Comum – reservado à festa de São Pedro e São Paulo, segue na mesma linha, com apenas cinco versículos, do 15 ao 19, dentro do capítulo 21, de João.

No curto relato, apenas dois personagens: Jesus e Pedro.

Tem-se dito várias vezes nos comentários dominicais, meras pistas para que os que assim o desejem se detenham mais tempo em proveitosa meditação, que a linguagem do Novo Testamento é acentuadamente repetitiva, um recurso didático quiçá, para melhor compreensão.

Jesus questiona Pedro três vezes, agora porém não por causa da necessidade de ou facilidade para memorização de quem leia o episódio. Jesus tinha missão especial para o apóstolo destemido e às vezes até afoito de tanto que amava o Mestre. Queria Jesus no entanto certificar-se da primeira e principal condição da pessoa a quem seria confiado um encargo de tamanha relevância. Para se desincumbir desse trabalho, cujo final redundaria em martírio, embora já soubesse e muito bem conhecesse o afeto de Pedro, Jesus insiste em que  o apóstolo lhe diga que o ama.

Na terceira vez em que Jesus lhe pergunta se o amava deveras, Pedro se entristeceu. Ele negara conhecer Jesus também repetidamente três vezes. Entretanto, não se altera. Contém-se e proclama com todas as letras que amava Jesus:

“Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo”.

Jesus, então, simples e diretamente, lhe diz:

“Apascenta as minhas ovelhas”.

Erige Pedro o primeiro Papa ali mesmo, naquela hora, conquanto o discípulo não pudesse alcançar a extensão e o significado ainda de outorga tão sublime quão difícil.

Faz referência também, conquanto não de forma explicitada, que se enquanto fora jovem e livre, Pedro decidia de seus caminhos, hora chegaria porém em que o iriam levar a lugar para onde ele não desejaria ir, - morte de cruz.

E Jesus finaliza:

“Segue-me”.                                                                                     

É lícito, à vista desta passagem, exaltar as primícias do exercício do amor, em todas as circunstâncias e que esse afeto máximo e superior ganha sentido pleno quando endereçado a Deus Nosso Senhor, na pessoa de Jesus Cristo.

E Jesus sabe muito bem que para que um amor perfeito a Ele seja dedicado, tal afeto passa pelo mesmo sentimento das pessoas entre si. Encaminhar-se na direção do Mestre, com o tropeço aqui ou ali por qualquer malquerença, impede o cristão de chegar até Ele.

Mas, se tal existe entre os mortais, que de ambos e de todos os lados se estenda o quanto antes a ponte para a reconciliação. Que ela venha do fundo do coração e aí entao, a alameda da reaproximação fica recoberta pelo tapete do amor verdadeiro.

Quem ama Jesus, ama o próximo.

Daí, finalmente, se torna possível não apenas ouvir mas também compreender-se o chamado dele a todo homem, seja quem for:

“Segue-me”.

Sim. Exatamente.

Seguir Jesus. Pedro o fez.

Seria melancólio se cada um dos fiéis se quedasse por aqui, feliz e a sonhar, porque acabara de recordar uma passagem comovente dos evangelhos, sem entender que amar Jesus e anunciar seu nome fosse tarefa de Pedro apenas.

                                                                                              João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

22 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio