Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 15 de abril de 2010

O primeiro beijo

O primeiro beijo

Cadu teve a sua grande chance com Fabiana, sua bem amada, no bailinho de aniversário da Laís. Antes de sair de casa Cadu olhou-se no espelho e jurou, para si mesmo, que naquela noite a Fabiana cairia em seus braços.

Durante o banho ficou beijando as costas da mão. Sabia que a prática era importante e não queria fazer feio na noite de seu primeiro beijo. Não tinha certeza sobre o que fazer com a língua, mas com espírito desbravador lambeu toda a mão, experimentou mordiscar, fez movimentos circulares, ora com suavidade ora com destempero, sabia que homens previsíveis não cativam as mulheres. Seu pai bateu na porta do banheiro: hora de terminar o banho. Cadu deu-se por satisfeito; estava bem treinado.

A caminho da festa, no banco de trás, seguiu treinando o beijo de língua nas costas da mão. Treinamento que durou até que um dos solavancos do carro acabasse machucando sua boca e sua mão. Ele não desanimou com o incidente. A noite seria especial e já sentia um gostoso frio na barriga.

A festa era um bailinho muito romântico. As meninas sentadas e os meninos em rodinhas conversando. Assim que começava uma música lenta os garotos mais ousados e autoconfiantes tiravam as meninas para dançar. Cadu fazia parte do grupo dos meninos ousados e autoconfiantes.

O menino estava com o coração disparado, as mãos suando frias e um enorme frio na barriga. Tudo aquilo fazia parte do que estava prestes a acontecer: daria seu primeiro beijo na boca e começaria a namorar a mais bela garota da turma. Não eram acontecimentos banais.

Ao som do meloso Barry Manilow, nosso herói dirigiu-se decidido a encantadora Fabiana, estendeu-lha a mão e convidou-a para dançar. Se a garota não demonstrou entusiasmo, pelo menos não fez careta. Levantou-se, terminou um assunto breve com sua colega Laís e foi para o meio da pista, mãos dadas com seu pretendente.

O começo não foi fácil. Cadu rodava para a direita e Fabiana para a esquerda. Pararam e recomeçaram. Agora os dois inverteram o sentido, então Fabiana tomou as rédeas e indicou o sentido em que iriam rodar. Resolvido o sentido da dança novo desencontro: Cadu dava apenas uma requebrada para cada lado e Fabiana dava duas. O rapazote logo percebeu a proposta de sua bem amada e passou a dar duas requebradas também. De fato era melhor.

Passado este início de acertos o casal dançou três músicas seguidas. Acabava a música e Cadu não descolava da Fabiana a espera da próxima, imediatamente retomava nova dança. O contato da barriga da menina com a sua encantava o rapaz. Sentir a respiração de Fabiana era uma sensação que se tornaria inesquecível para o jovem Cadu. Quando a terceira música estava chegando ao fim, nosso herói respirou fundo, curtiu mais uma vez a respiração da Fabiana em sua barriga e disparou objetivo:

- Quer namorar comigo?

Fabiana sobressaltou-se. Não esperava uma investida tão direta e objetiva. Pediu um tempo para pensar. Pedido que pareceu muito razoável. Finalmente a menina foi liberada para voltar a sentar-se ao lado de suas amigas.

Cadu estava em ebulição. A expectativa quanto à resposta de Fabiana fazia o tempo parar. Não tinha fome, sede, nem ouvidos para mais nada. Ansiava pelo sim da garota, e aquilo era tudo e só o que interessava.

O baile foi interrompido pelos pais de Laís. Entraram com um enorme bolo e 12 velas acesas entoando o clássico “Parabéns para você”. Cadu tentou aproximar-se de Fabiana aproveitando-se do ensejo da partilha do bolo. A iniciativa não foi de todo equivocada, mas a realização foi um desastre. No afã de aproximar-se de sua bem amada, nosso desafortunado herói entornou seu copo de refrigerante na aniversariante. Na ânsia de reparar o estrago a emenda ficou pior do que o soneto. Ao puxar o guardanapo da mesa para enxugar os braços da Laís, trouxe a toalha toda e com ela o bolo, os brigadeiros, os refrigerantes e sua chance de dar seu primeiro beijo na boca foram ao chão.

Os pais de Laís foram esplêndidos. Acudiram o aturdido menino desculpando-o de antemão. Diziam que aquilo tinha sido um acidente tolo e que não teria problema nenhum. Cadu não deveria preocupar-se com nada, pois a empregada daria um jeito naquilo rapidamente.

Realmente a festa logo voltou ao normal. A lambança causada pelo menino foi desfeita pelas mãos caprichosas de dona Zuleika, a empregada contratada para a festa. O que dona Zuleika não conseguiu fazer foi recuperar o inconsolável Cadu. Ele tinha certeza de que perderá Fabiana quando entornou o refrigerante sobre a aniversariante. Laís era a melhor amiga de Fabiana. Estava desolado quando foram avisar-lhe que seu pai estava na porta. Tinha vindo apanhá-lo. Enquanto saia da festa o olhar de Cadu cruzou o de Fabiana que com ar gentil e sentido disse:

- Acho que não quero namorar você. Ainda sou muito moça, prefiro esperar um pouco mais.

Desculpa esfarrapada, pois no começo do ano namorava o Fábio.

Cadu chegou à sua casa derrotado. Ligou seu radio relógio numa estação romântica e passou boa parte da madrugada beijando as costas das mãos. Precisava ensaiar e treinar muito bem aquela história de beijo de língua, afinal a Carla iria sentar-se ao seu lado durante as aulas de inglês. Ela não escaparia.

Comentários

O olhar de um nariz

Nando Bolognesi

Nando Bolognesi

Palhaço profissional e na vida. Fez parte do elenco dos Doutores da Alegria de 2001 a 2005. Trabalhou de 2005 a 2008, sempre como palhaço, com usuários de atendimento psiquiátrico. Faz parte do elenco do espetáculo de palhaços Jogando no Quintal.

Arquivo

27 de abril de 2012

Êxodo Rural

29 de março de 2012

Até tu, SESC?

5 de abril de 2011

A arte do desencontro V

28 de fevereiro de 2011

A arte do desencontro IV