Colunistas

Publicado: Sexta-feira, 3 de agosto de 2012

O pão da vida

TEMPO COMUM

XVIII DOMINGO – Agosto, 5. 2012

Evangelho (Jo, 6, 24-35)

..........................................................................................................................

“”    Naquele tempo, quando a multidão viu que Jesus não estava ali nem os seus discípulos, subiram às barcas e foram à procura de Jesus, em Cafarnaum Quando o encontraram no outro lado do mar, perguntaram-lhe:

“Rabi, quando chegaste aqui?”

Jesus respondeu:

 “Em verdade, em verdade eu vos digo, estais me procurando não porque vistes sinais, mas porque comestes pão e ficastes satisfeitos. Esforçai-vos não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna e que o Filho do homem vos dará. Pois  este é quem o Pai marcou com seu selo”.

Então perguntaram: “Que devemos fazer para realizar as obras de Deus?”

Jesus respondeu:

 “A obra de Deus é que acrediteis naquele que ele enviou”.

Eles perguntaram: “Que sinal realizas, para que possamos ver e crer em ti? Que obra fazes? Nossos pais comeram o maná no deserto, como está na Escritura: ‘Pão do céu deu-lhes a comer`” .

Jesus respondeu:

 “Em verdade,  em verdade vos digo, não foi Moisés quem vos deu o pão que veio do céu. É meu Pai que vos dará o verdadeiro pão do céu. Pois o pão de Deus é aquele desce do céu e dá vida ao mundo”.
Então pediram: “Senhor, dá-nos sempre desse pão”.

Jesus lhes disse:

 “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim não terá mais terá sede”.

..............................................................................................................................

Jesus por primeiro realiza a multiplicação de pães e peixes e assim alimenta a multidão de milhares de seguidores, uns pela fé e quantos sabe-se lá de mera curiosidade. Daí tantas perguntas do povo, porque naquela hora o sentido das palavras era-lhes ainda um tanto obscuro.

Preconizava o Mestre os tempos futuros em que a humanidade poderia buscar na Eucaristia o alimento muito mais precioso, o da saúde e equilíbrio espirituais.

Mesmo sob a estupefação dos seus ouvintes, Ele termina por proclamar solenemente:

“Eu sou o pão da vida”.

Felizes pois os cristãos de todas as épocas aos quais está assegurada uma certeza inarredável, a de que para sua perseverança na fé, seja com dias venturosos seja na adversidade, ao buscar a Eucaristia terão apoio e segurança vindos do céu.                                        

                                                                                                                          João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

29 de setembro de 2019

Olhemo-nos de frente

21 de setembro de 2019

A nós outros, a definição

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio