Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 25 de agosto de 2008

O Melhor Presente

Desde o tempo de namoro, Alex e Gaby planejavam a sua futura família. Três filhos lhes parecia o ideal. Alex queria dois garotos e uma menina, Gaby preferia duas meninas e um menino, mas como essas coisas não se escolhem, isto não era motivo de desentendimento entre eles.
 
E escolhiam os nomes. Três nomes de homem e três de mulher, pois havia sempre a possibilidade de serem os três do mesmo sexo. De tempos em tempos substituíam um dos nomes por outro que encontravam e lhes parecia mais bonito.
Casados, no entanto, resolveram esperar um pouco, até melhorarem de situação financeira, pagarem a casa, etc.
 
Aconteceu, porém, que quando acharam que estava na hora de encomendar o primeiro, não o conseguiram. Meses, anos, de tentativa frustrada foram deixando os dois cada vez mais ansiosos. Quando souberam que na Europa estava sendo feito um tratamento moderno e infalível que ainda não era conhecido por aqui, não tiveram dúvidas, marcaram logo a viagem.
 
Seria ótimo, passeariam, ficariam mais tranqüilos e quem sabe voltariam com o bebê encaminhado. Tudo correu conforme as expectativas. O tratamento foi feito e os dois voltaram felizes com o resultado. Mas tiveram uma surpresa quando Gaby foi ao ginecologista para começar o pré-natal. Ela não teria um bebê, mas três! No início ficaram meio assustados. Eles sempre quiseram três filhos, mas não de uma só vez!
 
Acostumados com a idéia, no entanto começaram a curtir a espera da garotada.
Quando Alex chegava em casa a noite perguntava a Gaby:
- Como se comportaram as crianças? Deram muito trabalho?
E ela respondia rindo:
- Nem me fale! O Gustavo chutou a Celina o dia inteiro!
- E o Danilo?
- Que Danilo? Você quer dizer a Marina, não é?
- Vai ser Gustavo e Danilo. A menina você pode escolher, Marina ou Celina.
- E se for Marina, Celina e Estela?
- E se for Gustavo, Danilo e Alberto?
 
Era tudo brincadeira. Nada poderia empanar a felicidade deles. Mas antes dos sete meses de gravidez, Gaby passou mal. Alex levou-a ao hospital e o médico disse que era urgente que as crianças fossem retiradas. Gaby corria sério risco de vida e os bebês também. Embora as chances de sobrevivência dos bebês fossem poucas, era o mais sensato para ser feito. Com o coração sangrando e a mão trêmula Alex assinou a autorização para a cirurgia.
 
Enquanto Gaby estava no centro cirúrgico, ele encaminhou-se à capela do hospital e rezou como nunca havia rezado em toda sua vida. Dizia a si mesmo que Deus sempre faz o melhor para nós, mas ele não queria “o melhor”, queria a vida das criaturas que ele mais amava. Uma “eternidade” depois o médico apareceu sorridente para lhe dizer que tudo tinha saído melhor do que era de se esperar.
Gaby estava muito bem e os três pimpolhos saudáveis e perfeitos tinham toda a possibilidade de viverem normalmente, com alguns cuidados especiais por serem prematuros.
 
Gaby e Alex estavam superfelizes! Parecia-lhes que de repente a Terra transformara-se em um paraíso onde tudo era paz, alegria e esperança.
De súbito Alex lembrou-se:
- Poxa! Hoje é 12 de Junho, Dia dos Namorados e eu estive tão preocupado que nem me lembrei de comprar um presente pra você!
- Eu também não comprei nada pra você, mas acho que nós nos estamos dando o presente que mais desejávamos.
- É mesmo! Três preciosos presentes! Nunca fomos tão generosos! 
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida