Colunistas

Publicado: Sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

O homem, alvo do amor de Deus

Quarto Domingo do Advento.

Evangelho conforme ‘São Mateus (1, 18-24), evangelista que a liturgia designa para este Ano “A do ciclo trienal.

*   *   *   *   *

“”  A origem de Jesus Cristo foi assim: Maria , sua mãe, estava prometida em casamento a José, e, antes de viverem juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo. José, seu marido, era justo e, não querendo denunciá-la, resolveu abandonar Maria, em segredo.

Enquanto José pensava nisso, eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe em sonho, e lhe disse: “José, Filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo de seus pecados”.

Tudo isso aconteceu para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: “Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho. Ele será chamado pelo nome de Emanuel, que significa: Deus está conosco”.

Quando acordou, José fez como o anjo do Senhor havia mandado e aceitou  sua esposa.  “”

*   *   *   *   *

Não será equívoco declarar que Mateus, nestes ainda albores do Ano “A” da liturgia católica, abre oficialmente a narrativa da história límpida, singela, mas sobrenatural, de como aconteceram os primeiros passos definidos da vinda do Salvador ao mundo, Jesus, a quem, peito aberto, proclamamos como Nosso Senhor.

É uma trajetória, do anúncio ao nascimento, com lances até pouco conhecidos na Bíblia, mas cujo resumo autoriza ver a importância e valia infinitamente superior de toda uma vida centrada em Deus.

Não espera Deus de nós nenhuma afetação para com Ele, eis que a simplicidade ela a preconiza através do meio escolhido para tomar a natureza humana. Dignificou-a. Justamente porque nela fica implícita a divina. Suprema humildade descer a páramos terrenos. Fazer-se semelhante a nós.

É a constatação enfática da coerente escolha do nome Emanuel, a significar Deus conosco, a divindade junto de nós.

Isso tudo sem se falar no extremo máximo de doação, ao entregar-se para no final ser erguido no lenho da cruz.

                                                                                                               

                                                                                                                       João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

18 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio