Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 25 de maio de 2009

O Difícil Caminho de Volta

Faltavam apenas quinze dias para o casamento e Heloísa estava super ocupada com os últimos preparativos.
 
Talvez por isso não tenha notado que Márcio, o noivo estava mudado, ou melhor, ela até percebeu-lhe certo nervosismo, mas achou que era preocupação com o grande dia que se aproximava e não deu maior importância.
 
Quando ele veio, porém, cheio de rodeios, dizendo que tinha algo muito sério para dizer-lhe, ela começou a ficar assustada.
- Diga logo! Já estou ficando nervosa.
- Eu acho que é melhor cancelar o casamento...
- Você quer dizer, adiar? Mas, por quê? Já está tudo providenciado! Faltam só quinze dias, meu amor!
- Sei que é chocante o que vou dizer, mas não posso levar adiante esta farsa. Eu estou apaixonado por outra mulher. Vou me casar com ela.
 
Heloísa demora em assimilar o que está ouvindo. Não pode acreditar que uma coisa dessas esteja acontecendo.
- O quê???!!!
- É isso ai. Eu não queria magoá-la, mas essas coisas acontecem... estão fora de nosso controle...
 
 Heloísa assimilou com certa dificuldade o que ele dizia, como se ele estivesse falando numa língua estranha, mas, então, uma fúria apossou-se dela e investiu sobre ele com uma saraivada de xingamentos com direito a aliança atirada na cara e tudo:
- Você é um canalha... Ordinário... Sem vergonha... ###...###...###...######.... Suma daqui! Fora! Não quero vê-lo nunca mais!
 
Márcio saiu da casa e da vida de Heloísa. Deixou para ela a desagradável tarefa de suspender a cerimônia, cancelar a festa, desmarcar a viagem, avisar os convidados, devolver os presentes, etc. etc.
 
O pai de Heloísa tinha um grave problema cardíaco. Com a euforia dos preparativos do casamento até que estava passado bem, muito alegre e animado, porém, com o impacto do rompimento, teve uma crise e voltou a passar mal.
 
O irmão ficou furioso:
- Eu mato esse cara
- Mata nada! Deixe de bobagem!
- Pois vocês vão ver! Vou contratar um bandido para fazer o serviço e quando ele aparecer morto com a boca cheia de formigas, ninguém vai saber por que ele morreu!
 
A irmã adolescente sugeriu:
- Eu acho que você devia arranjar outro para ele ver que você não é de se jogar fora.
 
O padre; quando ela foi cancelar a cerimônia religiosa, ponderou:
- Você deve aceitar com resignação. Não se deixe levar pela raiva. Lembre-se de que Deus nunca nos desampara e você ainda pode ser muito feliz.
 
A mãe, meio atordoada tenta confortá-la:
- Tudo passa. Você vai ver. Daqui a uns tempos nem se lembrará mais disso. Há males que vem para o bem!
- Tudo balela! Frases feitas! Coisas que as pessoas dizem quando não sabem o que dizer!
 
Quando voltou ao trabalho notou um constrangimento geral. Ninguém falava com ela no assunto, mas ela sentia a fofoca pairando no ar. Os colegas, gentis, faziam convites, sugerindo encontros, festinhas (como se ela estivesse a fim dessas coisas) e o chefe acabou sugerindo que ela antecipasse suas férias para “descansar” um pouco.
 
Uma noite, sem poder dormir, angustiada, triste e deprimida como sempre, ela resolveu tomar uma bebida para relaxar.
 
Foi só o começo. No dia seguinte voltou a beber e, dai por diante, cada vez mais, procurava o álcool para anestesiar seu coração ferido.
 
Logo o vício começou a interferir no seu trabalho e o chefe, depois de algumas condescendências, outras recriminações, acabou pedindo seu afastamento e ela foi tratar-se em uma clínica especializada.
 
Melhorou. Parecia curada. Voltou para casa. Voltou a beber. Essa sequência repetiu-se inúmeras vezes: Tratamento – Melhora – Reincidência, e ela cada vez mais, descendo o precipício e sentindo-se a última das criaturas.
 
Passado algum tempo, a irmã casou-se e teve um bebê. Heloísa afeiçoou-se muito ao pequeno Tiago. Depois de tanto tempo seu coração abrigava um afeto. Tinha momentos de verdadeira alegria ao lado do sobrinho.
 
Um dia, porém, quando a sua irmã estava numa fila de banco com o Tiago no colo, houve um assalto, correria, policia e de repente um dos ladr&oti
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida