Colunistas

Publicado: Sábado, 11 de julho de 2015

O dia em que o carro parou

O dia em que o carro parou
Escultura de Miina Äkkijyrkkä

Quando o semáforo se mostrou num verde embaçado, o carro parecia não querer. Uma buzina arrogante agrediu o pouco silêncio e foi a libertação para as outras que, tímidas, ansiavam um desabafo. Logo se generalizou e ele acabou empurrado para um canto, à margem daquele buzinaço. O capô foi aberto e permaneceu ali, vulnerável como aquela que deixou de ser moça. Ele viu primeiro uma cara larga, babando sobre seu motor, depois dois rostos femininos ladeados pela cara larga, que saiu bufando. Os rostos femininos se fitaram de soslaio, fizeram qualquer gesto e também se foram. Enquanto exposto preferiu lembranças de temperaturas de asfaltos, de terras úmidas, de chuva quando tímida ou soberana. Mas um novo rosto, carrancudo, interrompeu seu deleite e fez penetrar as mãos, violando com estupidez; olhou para o outro, que se aproximava, fez um aceno seguido de uma gargalhada suja e fechou o capô. Tudo voltou a ser escuro mais uma vez, sentiu um novo calor mas, agora, decidira não sair mais dali.

Comentários

Conto... ou não conto?

Alex Pinheiro

Alex Pinheiro

Consultor em Turismo Receptivo e Turismo na Internet, exerce na literatura o seu desafio pessoal '1000 caracteres de uma história'. É colunista do jornal Taperá (Salto-Itu-Indaiatuba)

Arquivo

8 de outubro de 2018

Eles Sabiam de Tudo

5 de outubro de 2018

Urna Funerária

8 de agosto de 2018

Estrada

9 de julho de 2018

A ditadura do aroma

28 de maio de 2018

La Ciudadela