Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

O dia dos avós

Eles tinham oito filhos casados. Tinham trabalhado muito e juntos lutaram contra todas as adversidades da vida para criar e educar os filhos até vê-los encaminhados, seguindo seus próprios caminhos, voando com suas próprias asas.

Missão cumprida, os dois viviam agora tão sós quanto estiveram nos primeiros tempos de casamento, aproveitando a mutua companhia, procurando tirar toda ventura possível do tempo que ainda teriam para viver.

Aquele era um dia como qualquer outro.

- Que vamos fazer para o almoço, hoje?

Como sempre acontecia ela consultava o marido.

- Faça um arroz com frango.

E como sempre ela discordava:

- Ah, não! Vou fazer uma macarronada.

Ele deu de ombros, pegou o jornal e os óculos e se dispôs a começar a leitura enquanto ela dirigiu-se à cozinha, separou a metade de um pacote de macarrão e meia latinha de molho para preparar o frugal almoço.

Um alvoroço na rua tranquila, vários carros parando ao mesmo tempo. Vozes, risos e barulho de pés correndo na calçada, os levaram a chegar juntos a janela e puxar a cortina para espiar:

- Dia da Vovó! Dia do Vovô! Dia da Vovó! Dia do Vovô!

E a casa foi invadida pelos dezessete netos, alguns já casados com os parceiros e os oito bisnetos.
Abraços, presentes, risos:

- Viemos almoçar com vocês...

- Eu estava começando a preparar uma macarronada...

- Não se preocupe, nós trouxemos tudo.

E de repente houve um rebuliço na casa até pouco antes, tão tranqüila.

As netas mais velhas invadiram a cozinha, acendendo o fogão para acabar de preparar os “quase prontos” que trouxeram, abrindo armários procurando panelas, perguntando onde está isto, onde está aquilo.

A criançada corria de cá pra lá, subindo e descendo a escada (vocês já repararam como as escadas fascinam as crianças?), os jovens ligaram a televisão no máximo de volume para assistir o show de um artista pop.

Os netos mais velhos tentavam conversar com o avô que, aturdido, não conseguia entender o que eles falavam no meio daquele barulho todo.
Minutos depois a mesa estava posta em meio à maior confusão de comidas, bebidas, sobremesas, papinhas de bebês e mamadeiras.

É claro que não havia cadeiras para todos, mas pra que cadeiras se a gente pode muito bem sentar nos degraus da escada?

Depois a foto. Vovô e vovó, sorridentes, rodeados dos queridos netos naquele dia especial. Não faltava nenhum deles o que era difícil de acontecer.
E de novo a agitação, todo mundo colaborando na lavagem da louça, na limpeza do chão, conversando, rindo, chamando as crianças que tinham escapado de casa e estavam brincando na rua, tudo ao mesmo tempo.

Despedidas, abraços, votos de saúde e felicidade e, tão de repente quanto haviam chegado, todos se retiraram, entraram nos carros e um a um foram desaparecendo, virando à primeira ou a segunda esquina deixando atrás de si a tarde ensolarada e os velhos avós sozinhos, tão sós quanto estiveram nos primeiros anos de casados.

- Eu não sabia que existia o Dia dos Avós.

- Nem eu. Mas foi uma boa invenção, não acha?

E, então tranquilamente foram ver melhor os presentes, tão felizes quanto uma criança no dia de sua festa de aniversário.
 

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida