Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

O dia da vovó Idalina

Idalina nunca tivera qualquer comemoração nas datas especiais.

Quando criança, era muito pobre, a família grande e os pais não achavam importante comemorar aniversários ou quaisquer outras datas.

Casada, o marido achava que esses Dias Comemorativos eram uma invenção dos comerciantes, uma exploração, e nunca comemoraram nada.

Agora, viúva, com os filhos longe, morando só, ainda sentia certa tristeza nessas datas.

Um pouco da frustração da infância sem festas nem presentes acompanhou-a pela vida toda.

Dia dos namorados, das mães, das avós, tudo passou sempre em branco e agora, velhinha e só, ainda sentia falta de um carinho no Dia dos Avós.

Estava rememorando todas suas mágoas, dizendo a si mesma, sem se convencer, que isso era bobagem, quando bateram a sua porta.

Abriu e lá estava uma meninazinha que morava na vizinhança com uma folha de papel na mão.

- Dona Idalina, eu fiz um desenho na escola para dar à minha avó e como me lembrei de que a senhora não tem netos, fiz um para a senhora também.

Emocionada Idalina pegou o papel meio amassado onde havia um grande coração desenhado, meio torto e com letras inseguras a mensagem “Vovó! Você mora no meu coração”

- Posso dar-lhe um abraço?

E pela primeira vez na vida, aos oitenta anos, a Idalina teve a sua homenagem. 

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida