Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 11 de junho de 2007

O Buscapé

O negro velho continua conversando com as crianças:
- Buscapé era um escravo de dentro.
 
Escravo de dentro era mais importante do que escravo de senzala. Morava na casa grande, comia na cozinha de tudo o que era servido na sala e prestava pequenos serviços.
 
O feitor implicava com o Buscapé:
Que absurdo! Um negro moço e forte como esse, que podia dar um bom rendimento no eito, ficar ai, só arreando cavalos, engraxando sapatos, pilando arroz e vagabundeando a maior parte do tempo!
 
Mas o Coronel queria assim e quem mandava era ele.
O Sinhô não admitia que se castigasse escravos. Nem tronco havia na fazenda.
 
Muitas vezes chamava a atenção do feitor por maltratar os negros, e o feitor saía resmungando:
- O coronel é muito mole! Qualquer hora essa negrada se levanta, bota ele pra correr e fica com a fazenda.
 
Mas, isso nunca aconteceu.
O coronel não era mole coisa nenhuma. Se um escravo começava a dar trabalho ele o punha a venda.
 
Os escravos tinham mais medo de serem vendidos do que de apanhar, pois, contavam-se barbaridades que eram praticadas contra os negros em outras fazendas.
 
Eles não sabiam se era verdade, mas ninguém queria tirar a prova.
O tempo passou, veio a abolição e o Buscapé continuou na fazenda com o Coronel Mesquita, depois com seu filho e seu neto.
 
Hoje é um velho imprestável que só serve para rezar e contar histórias para uma criançada amolante.
 
As crianças gritaram a uma voz:
- Buscapé! Você é o Buscapé!
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida