Colunistas

Publicado: Domingo, 10 de agosto de 2014

O bom e o bem

19º. DOMINGO DO TEMPO COMUM

10 de agosto de 2014 – Liturgia: Ano “A”

Evangelho de Mateus, 14, 22-33

.........................................................................................................................

“”    Depois da multiplicação dos pães, Jesus mandou que os discípulos entrassem na barca e seguissem, à sua frente, para o outro lado do mar, enquanto Ele despediria as multidões. Depois de despedi-las, Jesus subiu ao monte, para orar a sós. A noite chegou, e Jesus continuava ali sozinho.

A barca, porém, já longe da terra, era agitada pelas ondas, pois o vento era contrário.

Pelas três horas da manhã, Jesus veio até os discípulos, andando sobre o mar.

Quando os discípulos o avistaram andando sobre o mar, ficaram apavorados e disseram:

“É um fantasma”.

E gritaram de medo.

Jesus, porém, logo lhes disse:

“Coragem! Sou eu. Não tenhais medo!”

Então Pedro lhe disse:

“Senhor, se és tu, manda-me ir ao teu encontro, caminhando sobre a água”.

E Jesus respondeu:

“Vem!”

Pedro desceu da barca e começou a andar sobre a água, em direção a Jesus. Mas, quando sentiu o vento, ficou com medo e, começando a afundar, gritou:

“Senhor, salva-me!”

Jesus logo lhe estendeu a mão, segurou Pedro e lhe disse:

“Homem fraco de fé, por que duvidaste?”

Assim que subiram no barco o vento se acalmou.

Os que estavam no barco prostraram-se diante dele, dizendo:

“Verdadeiramente, tu és o Filho de Deus.!”    “”

......................................................................................................................

Milagres sobre milagres.

Este, de passos sobre as ondas, ocorre logo após a multiplicação dos pães e peixes, assunto da semana passada.

Na verdade, o homem é tímido de natureza nas coisas do alto.

Mesmo diante de evidências, mesmo assim dificilmente dá-se por vencido. Titubeia. Duvida.

No fundo, sabe que Jesus operava prodígios. Naqueles tempos como agora, no entanto, é lento em admitir e aproximar-se do Mestre.

Noutros tempos, até que as pessoas se davam mais à religião, à caridade, à frequência aos sacramentos, porque tudo era mais calmo e havia possibilidade de encontrar tempo e hora para Jesus.

E hoje?

Compromissos sociais remontados, ida e vinda ao trabalho e quase nenhum tempo mais solto.

Acrescente-se a formidável e insana mudança de costumes, numa liberação escancarada, em que tudo que se mostra às avessas, acaba por ser aceito, quando não espontaneamente até por disposição legal, injunções de ordem pública.

Conceda Jesus à humanidade outro milagre, o de cair em si e sopesar melhor  os atos e costumes e, acima de tudo, vejam de volta e às mãos as eficazes práticas religiosas e frequência normal aos sacramentos.

Todas essas bênçãos estão aí, ao alcance de quem o deseje.

Reformule seus hábitos.

Elimine as ações malsãs.

Selecione.

Fique com o bom e o bem.

                                            João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

20 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio