Colunistas

Publicado: Sábado, 29 de abril de 2017

O ardor da fé robusta

O ardor da fé robusta

3º. DOMINGO DA PÁSCOA – 30.4.2017

Liturgia do Ano “A” de Mateus

Evangelho segundo Lucas, 24, 13-35

...............................................................................................................................

“”    Naquele mesmo dia, o primeiro da semana, dois dos discípulos de Jesus iam para um povoado chamado Emaús, distante onze quilômetros de Jerusalém.

Conversavam sobre todas as coisas que tinham acontecido.

Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e começou a caminhar com eles. Os discípulos, porém, estavam como que cegos e não o reconheceram.

Então Jesus perguntou:

“O que ides conversando pelo caminho?”

Eles pararam, com o rosto triste, e um deles, chamado Cléofas, lhe disse:

“Tu és o único peregrino em Jerusalém que não sabe o que já aconteceu nestes últimos dias?

Ele perguntou:

“O que foi?”

Os discípulos responderam:

“O que aconteceu com Jesus, o nazareno, que foi um profeta poderoso em obras e palavras diante de Deus e diante de todo o povo.

Nossos sumos sacerdotes e nossos chefes o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. Nós esperávamos que ele fosse libertar Israel, mas, apesar disso, já faz três dias que todas essas coisas aconteceram!

É verdade que algumas mulheres do nosso grupo nos deram um susto.  Elas foram de madrugada ao túmulo e não encontraram o corpo dele. Então voltaram dizendo que tinham visto anjos e que estes afirmaram que Jesus está vivo. Alguns dos nossos foram ao túmulo e encontraram as coisas como as mulheres tinham dito. A ele, porém, ninguém o viu”.

Então Jesus lhes disse:

“Como sois sem inteligência e lentos para crer em tudo o que os profetas falaram! Será que o Cristo não devia sofrer tudo isso para entrar na sua glória?”

E, começando por Moisés e passando pelos profetas, explicava aos discípulos todas as passagens da Escritura que falavam a respeito dele.

Quando chegaram perto do povoado para onde iam, Jesus fez de conta que ia mais adiante. Eles, porem, insistiram com Jesus, dizendo:

“Fica conosco, pois já é tarde e a noite vem chegando!”

Jesus entrou para ficar com eles. Quando se sentou à mesa com eles, tomou o pão, abençoou-o, partiu e lhes distribuía.

Nisso os olhos dos discípulos se abriram e eles reconheceram Jesus.

Jesus, porém, desapareceu da frente deles.

Então, um disse ao outro:

“Não estava ardendo o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho e  nos explicava as Escrituras?”

Naquela mesma hora, eles se levantaram e voltaram para Jerusalém, onde encontraram os onze reunidos com os outros. E estes confirmaram:

“Realmente, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão!”

Então os dois contaram o que tinha acontecido no caminho e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão.    “”

...............................................................................................................................

Muito compreensível tenham todos seus cuidados e projetos a povoar-lhes a mente, tanto mais ainda em tempos de agora, num mundo assaz conturbado. A despeito disso, não se justifica abandonem as pessoas sua crença e sobretudo sua fé em Jesus Cristo Nosso Senhor.

É suficiente um pouco mais de atenção e não se fazer ninguém presa fácil do que de errado lhe anda por perto e saber que, apesar de tudo, Jesus vive!

Aborrecidos, tristes, os discípulos de Emaús e não era para menos. Até esse ponto a reação meramente humana, neles. Contudo, o episódio deixa entrever que a tristeza deles não estava a significar descrença. Ainda mais que a essa altura, uma novidade estranha já se espalharam em apenas três dias, a ponto de ter chegado ao conhecimento do povo. Jesus não estava mais na tumba!

Muito apropriado considerar também a declaração deles, de que lhes ardia o coração durante o caminho, contágio milagroso e que aos poucos os levaria a saber o porquê daquilo.

Ademais, foram contemplados com o ato milagroso da consagração do pão e vinho, nesse passo efetuada pelo próprio Cristo, uma segunda vez, pois só o fizera antes na instituição da Eucaristia, no cenário da Última Ceia, presentes os apóstolos todos. Que distinção! Que privilégio desses dois!

Há quarenta anos, mau grado a manifesta gama de pessoas muito mais credenciadas do que este humilde servidor para fazê-lo, disso quis incumbir-lo e não aceitou recusa, o saudoso Monsenhor Camilo Ferrarini. Quer parecer pois, nunca dantes tenha aqui ocorrido essa lembrança e hipótese, a da consagração do pão e vinho, a segunda, se assim o é de fato, na história sacra e presidida por Jesus, com o que se terá ofertado régio presente, privilégio e distinção aos fiéis discípulos de Emaús.

Registre-se por fim e como, nem sob a inadequação de que este colaborador não tinha formação teológica, suas alegações não foram aceitas. Monsenhor, Deus o tenha na sua glória.

Amém.

                                                                                        João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

20 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio