Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O aniversário do papai

Marina saiu da doceteria levando o bolo de aniversário que acabara de comprar.

Enquanto percorria a pé os poucos quarteirões que a separavam de sua casa pensava no seu pai e em tudo que estava acontecendo com a sua família.

Tinha muita pena do pai e culpava-se por isso.

Pena não é sentimento que uma filha devia nutrir pelo pai, mas era tudo o que sentia pelo seu. Pena!

Ele era agricultor, mas, quando se casou com sua mãe, moça da cidade, foi influenciado por ela a vender o sítio e comprar uma bonita casa na cidade.

A mãe batalhou muito, estudou, conseguiu uma boa profissão e uma invejável colocação enquanto ele alternava subempregos com longos períodos desempregado.

A diferença que sempre houvera entre eles acentuava-se cada vez mais e os dois brigavam muito.

Recentemente ele conseguira uma aposentadoria mínima e, desde então, sem ter o que fazer, começou a beber muito.

A mãe já nem brigava mais com ele, ignorava-o.

E hoje era o dia de seu aniversário!

Na véspera ele tinha pedido a esposa para comprar um bolo para comemorar, mas ela respondeu que bolo de aniversário é coisa de criança, e que ele não merecia nenhuma atenção.

Quando Marina era criança ela dera grandes festas de aniversário que culminaram com A FESTA dos quinze anos.

Depois disso, Marina preferiu comemorar com os amigos em um barzinho da moda, mas a mãe sempre fazia um bolo em casa e lhe dava um presente.
No seu próprio aniversário ela também preparava alguma coisa especial para esperar as amigas que vinham cumprimentá-la;

Mas, o aniversário do Papai nunca tinha sido comemorado.

Engraçado, só agora Marina se dava conta disso.

Quando chegou a casa o pai estava sentado em um banquinho na porta da cozinha, completamente embriagado.
Marina entrou cantando: “Parabéns a você” com a caixa de bolo que foi logo abrindo e colocando sobre a mesa.

O pai olhou-a meio distante, parecendo não entender bem o que estava acontecendo, tentando sorrir.

Quando Marina abraçou-o, teve que esforçar-se para reprimir a repulsa. Ele cheirava a bebida, suor, poeira.

Mas, continuou tagarelando:

Encomendei uma piza daquela que você gosta. Por que não vai tomar um banho, colocar uma roupa limpa; aprontar-se para a sua festa de aniversário?

Sem responder ele levantou-se cambaleando e dirigiu-se ao banheiro.

Quando saiu, banho tomado, barba feita, roupa limpa, parecia outro homem.

Marina já arrumara a mesa, a piza fumegante, o bolo enfeitado e a jarra de suco de uvas.

Enquanto comiam, conversaram.

Marina falou de seu trabalho, seus estudos, seus lazeres.

O pai mais ouviu do que falou:

- Eu não tenho nada interessante para contar, minha vida é muito vazia;

- Você precisa arranjar alguma coisa para se ocupar. Talvez um trabalho voluntário...

- Mas a única coisa que sei fazer é lidar com a terra...

- Pois então, vamos comprar um lote de terreno e você pode fazer uma horta, plantar verduras, legumes, frutas, flores...

Os olhos de Bernardo brilharam:

Seria maravilhoso!

- Só que para isso (ia tocar no ponto nevrálgico!) você tem que parar de beber. Você não gostaria de procurar uma ajuda especializada?

- Mas, eu não sou dependente. Posso deixar a bebida quando quiser.

Marina ia questionar, mas nesse instante a mãe chegou.

Vinha de um evento beneficente e quando Marina convidou-a a sentar-se com eles disse simplesmente:

- Nem pensar. Estou exausta. Vou para a cama!

O pai também disse:

- Já é tarde. Também vou dormir.

- Mas, pense no que conversamos

- Claro que sim. Boa noite!

- Boa noite, Papai!

Enquanto lavava a louça, Marina pensava na sua conversa com o pai. Ia procurar um lote baldio para comprar a ajudar o pai a fazer a sua horta.

Sabia que não seria fácil, ninguém se transforma da noite para o dia, mas, quem sabe?

Ele teria, por certo, recaído, mas se estivesse mesmo disposto a deixar o vício, ia conseguir.

E, o mais importante de tudo foi que Marina descobriu que o seu sentimento pelo pai não era de “pena”...

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida