Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 27 de julho de 2009

O amor sempre compensa

Angélica e Guilherme mantinham um casamento pró-forma.
 
Guilherme sempre foi infiel. Gostava da boemia e adorava mulheres fáceis. Angélica, a princípio brigou muito, tentou a todo custo resgatar seus direitos de esposa, mas compreendeu enfim que não adiantava bater de frente com o Guilherme. Ou o aceitava do jeito que ele era ou terminava o casamento.
 
Separar, não pareceu a ela interessante.
 
Ele era uma pessoa de boa convivência. Sempre alegre, gentil, generoso. Se o deixasse ele arranjaria outra e ela é que ia acabar ficando no prejuízo.
 
Combinaram então uma convivência cordial. Cada um fazendo o que bem entendesse e mantendo um casamento de fachada.
 
Durante muitos anos a situação foi essa e eles estavam perfeitamente adaptados.

Ele passava dias fora sem ela saber onde nem com quem, e, quando chegava. Ela o recebia amavelmente.
 
Não era mulher de aventuras amorosas, mas tinha uma legião de amigas, viajava muito e pertencia a vários grupos filantrópicos que mais faziam festas do que assistência social.
 
E os dois eram felizes a seu modo.
 
Um dia, porém, algo aconteceu para abalar a estrutura dessa relação já tão problemática.
 
Guilherme disse a Angélica que tinha algo muito sério para lhe dizer.

Mil coisas passaram vertiginosamente pela cabeça de Angélica. Desde a constatação de uma grave e incurável moléstia, até uma paixão temporona que o levasse a querer separar-se dela, de vez, para assumir a outra.
 
 - Fale de uma vez. Já estou ficando aflita.
 
- Eu vou adotar uma criança. Uma menina!
 
 - O que?
 
Há muitos anos atrás quando constataram que Angélica não podia ser mãe, tinham aventado a hipótese de adotar um filho, isto é, Guilherme cogitou, mas Angélica não concordou.
 
Não gostava de crianças e o fato de não poder ter filhos era até uma graça, pois assim não precisava dar desculpas a Guilherme por não querer um descendente.
 
Depois, na situação em que se encontravam, é claro que nem pensaram mais nisso.
E agora, assim, sem mais nem menos, Guilherme vem com essa conversa!
 
- Mas que idéia maluca é essa?
 
Espere ai, essa história não está me cheirando bem. Trate de contar logo tudo, pois, você sabe como eu sou, aceito qualquer verdade, mas abomino mentiras.
 
- Não estou pensando em mentir. É isso mesmo que você esta pensando. Ela é minha filha. A mãe não a quer. Disse que se eu não ficar com ela, ela a dará para adoção.
 
- Você é mesmo um idiota! Se a mãe é uma vagabunda, que certeza você pode ter de que ela é mesmo sua filha?
 
- Tem toda a probabilidade de ser, mas, se não for eu a quero do mesmo jeito. Ela é uma criança que precisa de uma família e eu estou disposto a lhe dar isso. Você sabe que eu gosto de crianças e sempre sonhei ter uma grande prole.

Mas, se você não quiser, tudo bem. Eu monto um apartamento e ponho uma babá tomando conta dela. Você não precisa nem vê-la. Nossa relação continua do mesmo jeito.
 
Angélica sentiu que estava perdendo terreno. Se não cedesse ele montaria o tal apartamento e era bem capaz de acabar levando a outra pra lá.

Ela não se assustava com as rivais. Sentia que o marido tinha um afeto especial por ela que nenhuma mulher conseguia abalar. Mas, agora, esse ai, com uma filha, a filha com que ele sempre sonhou, se lhe afigurava perigosa demais.
 
- Vamos conciliar isso. Você pode trazer a menina pra cá, desde que arranje quem cuide dela. Você sabe que trocar fraldas de criança não é meu esporte predileto.
 
- Oh! Obrigado, querida! Eu sabia que você ia compreender!
 
Os dias que se seguiram foram tranquilos.

Guilherme estava mais atencioso do que de costume. Não saia de casa a noite, convidou-a várias vezes para saírem juntos e, só algumas semanas mais tarde, voltou a falar na filha:
 
- Precisamos escolher o nome.
 
- Escolha você. Ela é sua filha.
 
- Angélica!
 
- Não! Angélica, não! Qualquer nome menos esse!
 
- Ester! O nome da minha mãe.
 
- Tudo bem. Ester!
 
- Precisamos começar a preparar o quarto dela. Ela vai nascer no fim do mês.
 
Angélica resolveu que, já que não podia mudar a situação, ia curtir, na medida do possível, os preparativos.
E foram às compras. Móveis, cortinas, enfeites, roupas...
 
Era uma experiência nova para Angélica. Nunca tinha sequer olhado para uma loja de artigos infantis, mas se entusiasmou e caprichou nas compras.
 
- Encontrava, nessas ocasiões, muitas futuras mamães, algumas jovens exibindo orgulhosamente o barrigão, outras mais velhas, discretas, usando batinhas, todas tagarelando, fazendo planos, escolhendo coisas, e ela se sentia deslocada com sua cintura fina da qual sempre se orgulhara.
 
Brincou com o Guilherme:
 
- Acho que vou usar uma barriga postiça...
 
- Não é preciso. Sua filha não está na barriga, está no coração.
 
Guilherme ficava eufórico vendo-a interessada na filha que ia chegar e cumulava-a de carinhos o que agradava Angélica há tanto tempo carente de atenções do marido.

Entretanto, a idéia de ser mãe ainda não tinha sido assimilada por ela. Momentos havia em que se sentia pressionada, levada a uma situação que não escolhera. Havia em seu interior um verdadeiro conflito de sentimentos.
 
Quando comunicou aos parentes e amigos a sua decisão de adotar um bebê notou certo espanto:
 
- Não acredito! A esta altura da vida! Se queriam um filho porque não adotaram quando eram mais jovens?
 
Esta era mais ou menos a primeira reação de todos, explícitas ou veladas.
Logo após, vinham as felicitações, as frases feitas, as considerações de quanto os filhos são importantes na vida de um casal, etc.
 
Angélica percebia que todos desconfiavam da origem do bebê e isso a deixava irritada. Era-lhe profundamente desagradável a sensação de estar fazendo papel de boba, mas não podia ficar proclamando o que sabia e os motivos pelos quais engolira aquela pílula.
 
O quartinho do bebê ficou lindo, mas Angélica pedia a Deus que alguma coisa acontecesse para impedir que sua pequena moradora viesse ocupá-lo.
 
Deus, entretanto, não ouviu a sua prece, pois, como sempre, tinha melhor plano para ela.
 
No dia do nascimento Guilherme estava agitad&ia

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida