Colunistas

Publicado: Sábado, 12 de maio de 2012

O amor como primazia

VI DOMINGO DA PÁSCOA

13 de maio.  2012.

Evangelho (João 15,9-17)

...........................................................................................................................

“”  Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos:

“Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei. Permanecei no meu amor. Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como eu guardei os mandamentos do meu Pai e permaneço no seu amor. Eu vos disse isso para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja plena. Este é o meu mandamento: amais-vos uns aos outros sua vida pelos amigos. Vós sois meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando. Já não vos chamo servos, pois o servo não sabe o que faz o seu senhor. Eu vos chamo amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai. Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi e vos designei para irdes e para que produzais fruto, e o vosso fruto permaneça. O que então pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda.Isto é o que eu vos ordeno: amai-vos uns aos outros”.  “”

.........................................................................................................................

Se houvesse a curiosidade de retornar aos evangelhos dominicais das últimas semanas, uma constatação iria indicar que, mais do que revelar fatos, o texto sacro se compõe todo inteiro de palavras do próprio Cristo, apenas transcritas pelo evangelista.

Um recado pois direto, mas no qual há outra constante, de que tais evangelhos estão revestidos da doçura e do carinho do Mestre.

Ama Deus tantos suas criaturas, que Jesus se refere aos seus como ovelhas das quais é Ele o pastor, sempre presente; tão perto, que elas, as ovelhas, o reconhecem.

Essa intimidade depois Ele compara à da figueira com seus próprios ramos, estes aptos a sorver diretamente das graças do alto, para assim poderem os seguidores de Jesus espargi-las aos semelhantes.

E prega e acentua a qualidade incomparável do amor de Deus pelos homens e, por imitá-lo. Faz entender que haja um afeto de igual modelo das pessoas, de umas para com as outras, indiscriminadamente.

Realça mais ainda. Confirma que só mesmo através do autêntico “amai-vos uns aos outros”, é que  todos se salvarão.

Um retrato ainda que ligeiro e parcial do mundo, parece que se encaminha o homem noutra direção.

Mas o recado aí está.

Faça cada um sua própria reflexão, de como é sua vida diária diante de tanta manifestação de amor, transmitida por Jesus a toda criatura.

                                                                             João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

17 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio