Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Nossa Senhora medianeira

NOSSA SENHORA APARECIDA

Domingo - 12 de outubro de 2014

Evangelho (João, 2, 1-11)

............................................................................................................

“”   Naquele tempo, houve um casamento em Caná da Galileia.

A mãe e Jesus estava presente.

Também Jesus e seus discípulos tinham sido convidados para o casamento. Como o vinho veio a faltar, a mãe de Jesus lhe disse:

“Eles não têm mais vinho”.

Jesus respondeu-lhe:

“Mulher, por que dizes isso a mim? Minha hora ainda não chegou”.

Sua mãe disse aos que estavam servindo:

“Fazei o que ele vos disser”.

Estavam seis talhas de pedra colocadas aí para a purificação que os judeus costumam fazer. Em cada uma delas cabiam mais ou menos seis litros.

Jesus disse aos que estavam servindo:

“Enchei as talhas de água”.

Encheram-nas até a boca.

Jesus disse:

“Agora tirai e levai ao mestre-sala”.

E eles levaram. O mestre-sala experimentou a água, que se tinha transformado em vinho. Ele não sabia de onde vinha, mas os que estavam servindo sabiam, pois eram eles que tinham tirado a água. O mestre-sala chamou então o noivo e lhe disse:

“Todo o mundo serve primeiro o vinho melhor e, quando os convidados já estão embriagados, serve o vinho menos bom. Mas tu guardaste o vinho melhor até agora”.

Este foi o início dos sinais de Jesus.

Ele o realizou em Caná da Galileia e manifestou a sua glória, e seus discípulos creram nele.    “”

.............................................................................................................

Mesmo sem a presença de José, o pai que os fatos não informam estivesse ainda vivo, a sagrada família teve uma vida normal, modesta certamente mas participativa, sem alarde. Fizeram-se presentes Jesus e Maria, além dos discípulos, a uma festa de casamento. Prova de que as amizades marcantes entre parentes e conhecidos era cultivada desde tempos imemoriais.

Já há muito tempo, Maria visitara a prima Isabel, grávida, num gesto de extrema dedicação e solidariedade. Acudira a primeira por cerca de três meses.

Aqui, no episódio de hoje, um quadro social de confraternização e júbilo, numa festa de núpcias.

Até ali, do ponto de vista de operar milagres, pouco se sabia a respeito daquela criança, daquele moço e daquele agora homem feito, Jesus.

Se mais tarde ao longo da vida pública Jesus curou pessoas de doenças congênitas e foi até ao ponto de devolver a vida a outras, começou ali, nas Bodas de Caná, a revelar poderes inclusive para dificuldades de monta menor mas embaraçosas, na transformação de água em vinho da melhor qualidade.

É marcante assim o primeiro milagre de Jesus.

Note-se contudo o cuidado do evangelista ao informar quais pessoas se dirigiram àquela festa, ao assinalar:

 “A mãe de Jesus estava presente”.

Só em seguida informa que Jesus e os discípulos também compunham o grupo dos convidados.

Um destaque intencional de João, porque este evangelho proclama alto e bom som a providencial intercessão de Nossa Senhora para todas as súplicas que os fiéis enderecem a seu filho, Jesus.

Antecipou-se ao problema dos noivos, com a falta de vinho.

Nossa Senhora, medianeira de todas as graças.

                                                                                                João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

17 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio