Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 26 de setembro de 2011

No trem noturno

Ataulfo, o chefe de trem, esperava ter uma viagem tranquila. Fim de linha, madrugada adentro, poucos passageiros sonolentos,

A única preocupação era ficar atento para acordá-los quando se aproximavam do seu destino,

Mal o trem deixou a estação de Rancharia, porém, ele viu um homem embriagado cambaleando pelo corredor.

Agarrou-o pelo braço

—Sente-se. Na próxima parada você desce.

—Eu não quero descer. Eu vou para Manduri.

—Este trem não vai para Manduri, vai para Epitácio. Você desce e espera o trem de Manduri.

—Não desço! Eu comprei passagem, tenho direito de viajar.

—Então fique sentado no seu lugar senão eu mando o trem parar e jogo você lá fora.

—Se você fizer isso eu mando contar pra Dilma e ela manda prender você.

Ataulfo pretendia obrigá-lo a descer na próxima parada, mas como ele estava dormindo ficou com pena e resolveu deixá-lo em paz. Pensou que ele dormiria um bom sono e acordaria melhor.

Mas, qual!

Mal o trem pôs-se em movimento ele acordou e levantou.

—Ei rapaz! Você não pode levantar!

—Eu quero ir ao banheiro.

—Pacientemente Ataulfo acompanhou-o até o sanitário, ajudou-o a satisfazer suas necessidades, recompor-se na medida do possível e tornou a levá-lo ao seu lugar recomendando mais uma vez que não levantasse dali.

Alguns passageiros dormiam alheios ao que se passava, outros riam divertidos, outros criticavam:

—Isso é um absurdo! Só no Brasil que acontece uma coisa dessas!

O homem por fim dormiu profundamente e o Ataulfo respirou aliviado.

O trem chegava a seu destino. Só restava fechar todos os carros, entregar as chaves para o Chefe da Estação e estava encerrado o seu trabalho daquela noite, mas preocupava-se com o bêbedo. Que fazer com ele agora?

Mas, antes da chegada ele acordou já refeito do porre:

—Onde estamos?

—Chegando a Epitácio.

—Puxa vida! Eu queria ir para Manduri, mas bebi um pouco enquanto esperava o horário e acabei pegando o trem errado!

—Vamos até o carro restaurante, você toma um café e resolve o que fazer.

—Que vergonha!

—Fique frio, essas coisas acontecem.

—Sabe o que é, eu briguei com minha mulher, resolvi abandoná-la e voltar para a casa da minha mãe em Manduri, mas enquanto esperava o horário do trem, tomei uns tragos e dai ...

Só então Ataulfo reparou que ele era muito jovem, tinha boa aparência, parecia bem educado, que judiação!

—Agora você tem que passar o dia em Epitácio e a noite poderá tomar o trem para Manduri.

—Eu acho que não vou mais para Manduri, vou voltar para Rancharia e fazer as pazes com minha mulher.

—Você é que sabe...

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida