Colunistas

Publicado: Domingo, 15 de março de 2015

No terreiro

Crédito: José Bezerra No terreiro

O lábio inferior parecia inchado. As pálpebras morenas eram cortinas irreverentes e transformavam o espetáculo dos olhos numa dramática ópera; uma representação consciente do suspense que causava enquanto se mostrassem entreabertas. O murmúrio denso oscilava entre um contínuo sussurro e alguns espasmos agonizantes que pareciam dor. Era coisa exagerada, como refém que usa sua derradeira força na última tentativa de fuga. Em transe, maltratava os seios com murros fortes, de pulsos cerrados, ao passo que balbuciava uma fadiga. Xangô reconheceu o batuque e fez saber seu contentamento no orgasmo espiritual que extraiu mais um grunhido e a fez cair leve e desfalecida. Um belo gèlè, último pedaço seu a tocar a terra seca, fez levantar a poeira emitindo um som oco. Os tambores ainda roncavam quando outras duas senhoras de semblantes sonolentos sentaram-se perto abanando-a. Numa cômoda em mogno, corroída pelo cupim, logo ali próxima da porta, o celular tocou. Ela levantou depressa... e atendeu.

Comentários

Conto... ou não conto?

Alex Pinheiro

Alex Pinheiro

Consultor em Turismo Receptivo e Turismo na Internet, exerce na literatura o seu desafio pessoal '1000 caracteres de uma história'. É colunista do jornal Taperá (Salto-Itu-Indaiatuba)

Arquivo

8 de outubro de 2018

Eles Sabiam de Tudo

5 de outubro de 2018

Urna Funerária

8 de agosto de 2018

Estrada

9 de julho de 2018

A ditadura do aroma

28 de maio de 2018

La Ciudadela