Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Na fé, o primeiro passo

XIX Domingo Comum.

Agosto, 7.  2011.

Evangelho por conta de São Mateus (14, 22-33).

*   *   *   *   *   *

“”  Depois da multiplicaçãodos pães, Jesus mandou que os discípulos entrassem na barca e seguissem à sua frente, para o outro lado do mar, enquanto ele despedia as multidões. Depois de despedi-las, Jesus subiu ao monte, para orar a sós.

A noite chegou, e Jesus continuava ali, sozinho. A barca, porém, já longe da terra, era agitada pelas ondas, pois no vento era contrário. Pelas três horas da manhã, Jesus veio até os discípulos, andando sobre o mar. Quando os discípulos o avistaram andando sobre o mar, ficaram apavorados e disseram: “É um fantasma”. E gritaram de medo.

Jesus, porém, logo lhes disse: “Coragem! Sou eu. Não tenhais medo!” Então Pedro lhe disse: “Senhor, se és tu, manda-me ir ao teu encontro, caminhando sobre a água”.

E Jesus respondeu: “Vem!”

Pedro desceu da barca e começou a andar sobre a água, em direção a Jesus. Mas, quando sentiu o vento, ficou com medo e, começando a afundar, gritou: “Senhor, salva-me!”

Jesus logo estendeu a mão, segurou Pedro e lhe disse: “Homem fraco na fé, por que duvidaste?”

Assim que subiram no barco, o vento se acalmou. Os que estavam no barco prostraram-se diante dele, dizendo: “Verdadeiramente, tu és o Filho de Deus!”  “”

*   *   *   *   *   *

Logo após a prodigiosa distribuição de alimentos às multidões, em que a princípio só se contavam cinco pães nos cestos, Jesus, que se recolhera para orar, reencontra os amigos, porém já distantes, na barca.

Novo milagre: Ele a caminhar sobre as águas.

Pedro, o mais atirado deles, quis ir e foi ao seu encontro, mas à primeira rajada de vento, titubeou e começara a afundar.

Jesus lhe estende a mão e lhe censura a falta de fé.

Entre outras lições, esta uma delas, a se colher do evangelho transcrito acima: a quase falta de fé que caracteriza não pouca gente.

O relacionamento com o Mestre, quando existe, é feito somente de oportunidades ou necessidades, momentos em que algo aflige o fiel.

É muito pouco.

Natural que em situações de dificuldades, seja do que for, o cristão busque apoio e solução em Deus. Mas, que não se resuma somente nas horas de aperturas.

Sejam os reveses de que ordem for, principalmente em casos de  saúde, busque-se o lenitivo, além dos cuidados médicos, com a graça própria e indicada através da Unção dos Enfermos. Afinal é um dos sete Sacramentos da Igreja.

Às vezes ainda ocorre o receio de que ao ser o padre chamado a ministrar essa bênção específica, o enfermo se assuste. Jamais. 

Sobram exemplos de casos em que em seguida ao conforto espiritual, o doente experimente sensíveis melhoras ou até a cura.

Mal, nunca lhe fará.

De qualquer forma, em todas as situações, a fé é imprescindível. E ela é alimentada através de uma vida de constância e perseverança.

De intimidade e confiança em Deus, Nosso Senhor.

Na fé, certamente, repousa o primeiro passo para essa intimidade.       

                                                                                                         João Paulo                                                                                                                                                                                   

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

20 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio