Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 29 de maio de 2013

Monsenhor Camilo Ferrarini: Recordações

Crédito: Internet Monsenhor Camilo Ferrarini: Recordações
Monsenhor Camilo é um exemplo a ser seguido

No próximo dia 2 de junho, os católicos da cidade de Itu recordarão novamente a saudosa figura de Monsenhor Camilo Ferrarini. Exatamente nesta data, irão completar-se os dez anos de seu falecimento. Grande sacerdote, ele exerceu seu ministério por muitos anos à frente da Paróquia Nossa Senhora da Candelária.

As novas gerações talvez não se recordem dele. Mas, em conversas com os que participavam das atividades da Igreja a partir dos anos de 1970, surgem muitas recordações. E todas boas, diga-se de passagem. Sei que há uma tendência natural a “canonizar” as pessoas quando falecem, mas não é este o caso. Realmente nunca ouvi alguém dar um testemunho negativo a respeito do Monsenhor Camilo.

Eu tinha uns oito ou nove anos de idade quando o vi pela primeira vez. Partia lá do bairro Alberto Gomes para participar da missa das 08h30, que era especialmente preparada para a criançada, com músicas próprias, catequese para o perfil dos baixinhos e alegria, muita alegria.

Monsenhor Camilo era um homem autêntico. Há muitas formas de viver a santidade e ele encontrou a dele. Não se furtava a uma boa conversa quando podia. Era solícito, atencioso e interessado. Preocupava-se em sempre incentivar todos em tudo, tanto na vida em comunidade quanto na vida particular.

Não tive muito contato com ele, como tantos amigos e amigas que foram coroinhas ou acólitas. Mas um conselho dele perseguiu-me a vida inteira e creio ser por causa disso que me engajei na Igreja Católica. Certa vez, durante um encontro de jovens, ele encontrou um grupo de moços e moças. Eu estava entre eles. Monsenhor Camilo parou para conversar conosco e soltou a frase: “Nunca deixem de levar esta alegria de Jesus aos jovens! Nunca deixem!”.

A frase bateu fundo no coração e na alma. Foi o que procurei fazer desde então, não apenas aos jovens mas agora a todos os que sentem o peso das incoerências e injustiças do mundo sobre as costas.

Recordo ainda ter atendido o Monsenhor Camilo algumas vezes, em suas idas à Livraria Maranatha. E não me lembro bem em qual circunstância, mas recordo ter tomado uma taça de vinho com ele na única visita que fiz em sua residência, quando ele já estava emérito.

Dez anos atrás, o velório de Monsenhor Camilo fez a cidade parar. Ituanos de todos os bairros foram até a Igreja Matriz de N.Sra. da Candelária, onde houve a missa de corpo presente. Antes, se não me engano, o cortejo passou pela Igreja de Santa Rita, que Monsenhor Camilo tanto amava.

Sempre rezo pedindo a intercessão de Monsenhor Camilo Ferrarini para os meus próprios desafios. Ele foi exemplo de homem, pai espiritual, sacerdote. Queira Deus que esta saudosa figura possa rezar sempre por nós que ainda estamos cá embaixo!

Amém.

 

- Faça seu comentário e mande sua sugestão de assunto para o artigo seguinte!

- Acompanhe o Programa Amém (3ª feiras, às 20h) em www.novaitufm.com.br

Comentários

Visão de Mundo

Salathiel de Souza

Salathiel de Souza

Jornalista, professor e teólogo, iniciou carreira em 1996. Membro da Academia Ituana de Letras, é sacerdote católico apostólico romano e autor de "Tudo Pela Missão! - Minha Experiência Missionária em Roraima".

Arquivo

15 dias atrás

CATÓLICO MEIA-BOCA

28 dias atrás

Chame o Padre!

27 de junho de 2019

Tudo, Menos Católico...