Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 18 de março de 2015

Minha Cruz? Com Cristo!

Crédito: Internet Minha Cruz? Com Cristo!
Não tenho medo da cruz. Tenho medo é de carregá-la sozinho.

A experiência cristã é um mistério em si, incompreensível para os observadores externos. É como estar dentro de uma lagoa: quem está lá na beira pode olhar e dizer o que quiser, mas só entenderá realmente se pular para um mergulho.

Durante esta minha caminhada de fé, não tive apenas boas experiências. Embora a quantidade de alegrias as superem exponencialmente, houve sim passagens tristes e decepcionantes. Tal é a realidade e assim será enquanto caminharmos nesta terra. Felicidade completa e perfeita, só na eternidade com Deus.

Quando me encontram, aqui e ali, com um sorriso no rosto e uma anedota na manga, nem sempre as pessoas se dão conta de que, mesmo em meio às alegrias da vida em Cristo, estou interiormente carregando a minha cruz.

Nada mais natural. Aqueles que desejam ser verdadeiros discípulos devem: renunciar a si mesmos, tomar diariamente a própria cruz e seguir o Mestre. Se Cristo carregou uma cruz eu devo carregar a minha também, e não ficar implorando para que me livre desse encargo. Sem choro e nem vela, carregar diariamente o madeiro em meu calvário pessoal, sentindo o peso da cruz literal e metaforicamente.

Há alguns um amigo viajou para Roma. Na volta, presenteou-me com um crucifixo de metal. Adquiri o hábito de sempre andar com esse presente no bolso, na bagagem, na mochila. Ele me acompanha nas orações diárias do Santo Terço, nos momentos de reflexão, etc. É um simples objeto, mas que me ajuda a refletir sobre o mistério da cruz ao qual todos estamos ligados pela fé em Cristo.

Certo dia, num período de grande dificuldade e angústia interior, o tal crucifixo caiu do meu bolso. Indo ao chão, partiu-se bem na parte de baixo. Ficou mais curto, como se o corpo do Crucificado ficasse mais próximo da terra. Chateado, pedi para que o soldassem. Concertado, eis que no mesmo dia o tal crucifixo escapou novamente do mesmo bolso, caindo e partindo-se outra vez.

Interpretei, à minha maneira, o episódio. Peguei aquele pedacinho do meu crucifixo e o levei até uma imagem do Cristo crucificado. Aos pés da cruz de Jesus, deixei um pedaço da minha própria cruz. Desde então, quando o peso do madeiro me faz sofrer, lembro-me de que não o carrego sozinho. Quando uso minhas forças para um breve erguer de cabeça, meus olhos fitam diretamente o olhar de Jesus que me conforta e diz: "Vinde a mim todos vós que estais cansados, pois meu jugo é leve e o meu fardo é suave!".

Não tenho medo da cruz. Tenho medo é de carregá-la sozinho, sem essa presença divina e consoladora do meu amigo Jesus. Pois amigo de verdade é aquele que nos ajuda a carregar nossas dificuldades, não aquele que foge nos momentos de maior necessidade.

Não abandonarei a minha cruz. Pois, enquanto a carrego, estou mais perto do Mestre. E estando perto de Cristo, mesmo que seja debaixo do peso angustiante do madeiro, serei mais feliz que muita gente.

Amém.

Comentários

Visão de Mundo

Salathiel de Souza

Salathiel de Souza

Jornalista, professor e teólogo, iniciou carreira em 1996. Membro da Academia Ituana de Letras, é sacerdote católico apostólico romano e autor de "Tudo Pela Missão! - Minha Experiência Missionária em Roraima".

Arquivo

14 dias atrás

CATÓLICO MEIA-BOCA

28 dias atrás

Chame o Padre!

27 de junho de 2019

Tudo, Menos Católico...