Colunistas

Publicado: Domingo, 26 de julho de 2009

Milagre, por que não?

Décimo Sétimo Domingo Comum, 26, o último de julho.
Cuida do evangelho, São João.
A minuciosa e rica narrativa da multiplicação de pães e peixes, consubstanciada nos quinze primeiros versículos do capítulo 6.
 
Naquele tempo, “Jesus foi para o outro lado do mar da Galiléia, também chamado de Tiberíades.
Uma grande multidão o seguia, porque via os sinais que ele operava a favor dos doentes.
 
Jesus subiu ao monte e sentou-se aí, com seus discípulos.
Estava próxima a Páscoa, a festa dos judeus.
 
Levantando os olhos e vendo que uma grande multidão vinha vindo ao seu encontro, Jesus disse a Filipe:
“Onde vamos comprar pão para que eles possam comer?”.
 
Disse isso para pô-lo à prova, pois ele mesmo sabia muito bem o que ia fazer.
Filipe respondeu:
“Nem duzentas moedas de prata bastariam para dar um pedaço de pão a cada um”.
 
Um dos discípulos, André, o irmão de Simão Pedro, disse:
“Está aqui um menino com cinco pães de cevada e dois peixes. Mas o que é isso para tanta gente?”.
 
Jesus disse:
“Fazei sentar as pessoas”.
Havia muita relva naquele lugar, e lá se sentaram, aproximadamente, cinco mil homens.
 
Jesus tomou os pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, tanto quanto queriam. E fez o mesmo com os peixes.
 
Quando todos ficaram satisfeitos, Jesus disse aos discípulos:
“Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca!”.
Recolheram os pedaços e encheram doze cestos com as sobras dos cinco pães, deixadas pelos que haviam comido.
 
Vendo o sinal que Jesus tinha realizado, aqueles homens exclamavam:
“Este é verdadeiramente o profeta, aquele que deve vir ao mundo”.
Mas, quando notou que estavam querendo levá-lo para proclamá-lo rei, Jesus retirou-se de novo, sozinho, para o monte.
 
Uma das páginas de maior relevo, a narrativa bíblica do milagre da multiplicação dos pães e peixes.
 
Causou estranheza, certa feita e mais recentemente, que numa homilia em dia de preceito, o celebrante trouxe para o povo uma versão simplista desse extraordinário acontecimento. A de que não tinha acontecido nenhum milagre e sim que, pessoas abastadas misturadas ao povo simples, elas sim cuidaram de repartir seus alimentos.
 
Alevaga-se na homília, que fora de tamanho alcance a mensagem de Jesus, que tocou fundo o coração dos mais favorecidos. Estes é que, movidos de solicitude e compaixão, se confraternizaram e distribuíram o que comer com os pobres.

Desse fato, ficou a impressão de que o próprio orador estaria acanhado e quiçá um tanto desacreditado do milagre, e daí recorrer a uma explicação pretensamente aceitável.
 
Pergunta-se então: foi demais para Jesus operar mais esse, diante de tantos outros prodígios que fez?
 
Milagrosa – foi ou não foi – sua ressurreição? E ter retornado da mansão dos mortos não se constituiu em milagre ainda maior?
 
O próprio texto – em sua narrativa crua – revela intenção sim de realçar a enormidade miraculosa dessa multiplicação, exatamente pela formidável quantidade de pães e peixes, que até sobras ficaram.
 
“Onde vamos comprar pão?”. Ele entanto já “sabia” o que ia fazer.

Havia cinco pães e dois peixes.

Eram cinco mil homens.
 
Tanto fora milagre (hoje, tomado até como símbolo e prenúncio da Eucaristia, o de um Jesus para todos sem exceção), que a consequência surgiu espontânea, no desejo de coroar Jesus como rei.
 
Curvem-se, todos os fiéis, portanto, sem duvidar, diante dessa demonstração do amor do Mestre para com a humanidade, ali representada.

Porventura – é também de se indagar – milagres Ele não mais os faz em tempos de agora?
 
Se cada um dos cristãos se compusesse em meditação profunda, suas reflexões lhe revelariam o quanto, a todo momento praticamente, as mãos poderosas do Mestre amoroso não fazem por todas as criaturas.
 
Puros milagres. 

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

15 dias atrás

Olhemo-nos de frente

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio