Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 4 de abril de 2012

Meu Senhor e meu Deus

Páscoa da Ressurreição

Domingo, 8 de abril. 2012.

Evangelho de João, 20, 1-9.

...............................................................................................................................

“No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo. Então ela saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhe disse:

'Tiraram o Senhor do túmulo e não sabemos onde o colocaram'.

Saíram, então, Pedro e o outro discípulo e foram ao túmulo. Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao túmulo. Olhando para dentro, viu as faixas de linho no chão, mas não entrou.

Chegou também Simão Pedro, que vinha correndo atrás, e entrou no túmulo. Viu as faixas de linho deitadas no chão e o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não posto com faixas, mas enrolado num lugar à parte.

Então entrou também o outro discípulo que tinha chegado primeiro ao túmulo. Ele viu e acreditou.

De fato, eles ainda não tinham compreendido a Escritura, segundo a qual Ele devia ressuscitar dos mortos.”

.............................................................................................................................

O achado do sudário deixado no chão, visto por Pedro, João e Maria, existiu e prova a ressurreição de Jesus, não pelos panos em si, mas porque  esses discípulos logo depois viram o Mestre pessoalmente nas suas diversas aparições, incluída aquela para Tomé e seus companheiros, ele ainda descrente. Foi quando Tomé pronunciou a jaculatória que até hoje persiste nas orações e o povo a repete contrito: “Meu Senhor e meu Deus”.

O santo sudário, como hoje se conhece, está recolhido em Turim e a Igreja mesma, por si, nunca se pronunciou sobre sua veracidade ou não. Limita-se a guardá-lo com desvelo e respeito.

Tudo indica que sejam verdadeiros os panos enormes, mas a ciência ainda não chegou ao ponto de invalidá-los nem tampouco de desmenti-los.

Comemore hoje o cristão, católicos e não católicos, sim, a festa da Páscoa porque Jesus existiu, foi morto e reviveu. Tempos de Semana Santa reavivam sempre mais a fé no coração das pessoas.

Por isso, na missa do sábado, a da vigília Pascal, o coração da gente se enternece ao ponto da emoção, quando durante a comunhão o coro embala aquele canto ou hino de glória:

"E quando amanhecer, o dia eterno, a plena visão, ressurgiremos por crer nessa vida encontrada no pão”.

João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

17 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio