Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 28 de julho de 2010

Meu filho Abel

Pablo entrou na sala sobraçando uma enorme caixa cheia de bugigangas.
- Acho que desta vez estou levando o resto. Não vou importuná-la mais.

Fazia mais de um ano que haviam se separado, mas Pablo foi levando aos poucos os seus pertences. Era como se lhe custasse terminar tudo, cortar as últimas amarras.

Laís o fitava impassível, sofrera muito, mas agora tudo o que sentia era o leve dolorido que o tempo não anula nas cicatrizes muito profundas.

Pablo tinha suas qualidades, Era alegre, generoso, carinhoso, etc., mas tinha um grave defeito, era mulherengo e volta e meia dava suas escapadas.

Algumas vezes, Laís nem ficava sabendo, mas outras, ela descobria e brigava com ele.

Ficavam uns dias amuados, mas depois faziam as pazes com direito a presentes, fins de semana em hotel de luxo, nova lua de mel.

E o tempo ia passando.

Laís, muito embora abominasse o comportamento do marido, não queria deixá-lo, mas, um dia ela soube que ele tinha montado um apartamento para a outra e, quando já se armava para a briga costumeira, ele disse simplesmente que estava apaixonado pela tal de Michele e queria a separação.

E agora estava levando o que ainda ficara dele na casa que, desde então, era só dela.
- Me desculpe por ter demorado tanto para levar minhas tralhas, mas é que estou morando em um quartinho muito pequeno e está difícil de acomodar tudo.

- Quartinho pequeno? E a Michele?

- Ah! Não deu certo. Separamos, ela ficou com o apartamento e eu fui para o meu quartinho solitário.

- Solitário, você? Como se eu não o conhecesse!

- Estou mudado, acredite!

Laís sacudiu o ombro fingindo indiferença (Pablo ainda mexia muito com ela)
- Acredito, mas não tenho nada com isso.

- E você, não acha esta casa muito grande? Por que não vai para um apartamento menor?

- Eu até pensei nisso, mas agora, mais do que nunca prefiro uma casa grande, com quintal, pois... Vou ter um filho

- Um filho?

- Sim. Vai chamar-se Abel. Gosta do nome?

- Pablo ficou furioso. Laís nunca o vira assim e divertia-se com a situação. Ele a ferira tanto que bem que merecia uma picadinha.

- Acho que você não tem nada com isso. Nem precisava ter-lhe contado.

- Realmente, não tenho nada a ver com o que você anda fazendo. O que me revolta é que você me fez pensar sempre que não podia ter filhos e agora me aparece com um filho de outro homem.

- Sim, vou ter um filho de outro homem e... outra mulher.

- Vou adotá-lo. A mãe me deu antes dele nascer.

- Estou me divertindo muito com a compra do enxoval e a arrumação do quartinho dele.

Pablo estava perplexo entre surpreso e envergonhado de seu arrebatamento.

Um filho adotivo! Como nunca haviam pensado nisso quando estavam juntos? Queriam tanto um filho! Se o tivessem, tudo poderia ter sido diferente.

De repente, se deu conta de que o que queria mesmo era poder voltar no tempo, ser um bom marido para a única mulher que realmente amava e criarem juntos o filho do coração.
- Nem sei o que dizer! Você vai permitir que eu o conheça? Que lhe ensine a jogar bola, que tenha “aquela” conversa de homem para homem quando ele for adolescente? Você sabe como é. Um garoto precisa de uma figura masculina por perto...

Laís continha a custo a emoção e foi com a voz embargada que lhe respondeu::
- Claro que pode desde que não lhe dê maus exemplos.

- E... Será que posso ensinar-lhe a me chamar de Pai?

Laís agora falava sério fingindo brincar:
- Acho melhor você trazer de volta as suas tralhas e se acomodar por aqui porque o Abel vai precisar de um pai em tempo integral.

- No quarto de hospedes?

- Nada disso. No nosso quarto. Você precisa me ajudar a cuidar dele de madrugada...
- Só por isso?

- Claro que não, seu bobo!

Meio constrangida mudou de assunto:
- Você não me disse se gostou do nome, Abel. Se quiser ainda está em tempo de mudar.

- Não! Abel é o nome mais bonito deste mundo.

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida