Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Magia ou ilusão de ótica?

As crianças conversavam sobre seus animais de estimação. Uns tinham gatos, outros cachorro, passarinhos ou peixes.

- Meu animal de estimação é um sapo, diz a Marilda.

- Um sapo, exclamaram todas as crianças ao mesmo tempo, como é que você foi arranjar um sapo aqui na cidade?

Foi assim:

Uma noite, ouvimos, de repente. Um grito na cozinha:

- Uaauuuuuuuu!

Meus pais correram para lá pensando que seria no mínimo uma cobra que assustara a empregada, talvez até uma onça! Quando viu o sapo minha mãe agarrou-se no meu pai e gritou:

- Uuuiiiiiiiiiii!

Meu pai que é muito corajoso pegou a vassoura, varreu o bicho pra fora e fechou a porta.

Todos foram dormir, mas eu fiquei com pena do coitadinho, lá fora naquele frio, levantei devagarzinho e fui pé ante pé, peguei o sapo e levei para o meu quarto.

- Vou cuidar direitinho de você, disse a ele.

Para minha surpresa ele respondeu:

- Você é uma boa menina e eu também vou ser muito bonzinho. Não vou incomodar ninguém.
E o sapo ficou morando no meu quarto.

De manhã eu o coloco dentro da gaveta para ninguém vê-lo e de tardezinha quando todos já estão se preparando para recolher-se eu o tiro de lá e a gente fica conversando.

Logo ficamos íntimos. Eu contei a ele todos os meus segredos e ele contou-me a sua história.

Ele não foi sempre um sapo.

Era um moço muito bom e muito bonito chamado Arlindo.

Aconteceu, porém, que ele apaixonou-se pela filha do rei e este não queria o casamento porque ele não era príncipe e era pobre. Por isso mandou prendê-lo.

Mas a princesa gostava muito dele e ia, escondido do pai, vê-lo na prisão. Quando o pai soube disso mandou chamar uma bruxa que o transformou em um sapo. 

A princesa ficou muito triste, mas prometeu que quando o efeito da magia acabasse ela iria buscá-lo onde ele estivesse, eles se casariam e iriam para muito longe onde o pai dela não pudesse encontrá-los.

Quando Marilda acabou de contar os colegas caçoaram dela:

- Você está mentindo!

- Não é mentira, teimou a Marilda. Ele está lá sim! O sapo que, na realidade, é um belo rapaz.

Os colegas não teimaram mais, mas estavam sempre amolando a garota, perguntando pelo Sap-Arlindo com ironia.

- Vocês não acreditam? Pois vamos lá em casa que eu mostro o sapo encantado pra vocês.

E um dia um grupo de meninas resolveu ir a sua casa para desmascará-la.

Marilda estava segura de si. Levou as colegas ao seu quarto, fechou a porta e abriu a gaveta. O sapo não estava lá, é claro, mas ela não perdeu o requebrado: 

- Ele foi embora! Acho que a magia acabou e a princesa veio buscá-lo.

Correu à janela, abriu a cortina e apontou para as colegas boquiabertas:

- Olhem! Lá vai ele com a princesa.

As meninas olharam na direção apontada por Marilda e todas viram um casal de jovens cavalgando um cavalo alado desaparecendo entre as nuvens. 

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida