Colunistas

Publicado: Terça-feira, 5 de março de 2019

Receita de sucesso

Crédito: Domínio Público Receita de sucesso
Mulher de Willendorf

QUER TER SUCESSO e ganhar dinheiro? Torne-se cantor e compositor. Eu já comecei!

“Tocumfome, tô, tô. Tocumfome, tô, tô. Tocumfome, tocumfome, tocumfome, tô, tô. Tácumfome??? Tá? Tá? Tácumfome??? Tá? Tá? Tacumfome, tacumfome, tacumfome? Tô, tô. Balançabalança, rebolarrebola. Balançabalança, rebolarrebola. Vemvemvemvem, vemvemvemvem”. Repita tudo umas vinte vezes.

Solte sua criatividade! Escreva qualquer coisa – mas qualquer coisa mesmo – de preferência com duplo sentido. Caso não consiga, ataque direto, sem medo de ser feliz.

Só uma boa letra não basta. Aulas de expressão corporal são indispensáveis para aprender a chacoalhar as protuberâncias, tremer o corpo, como numa crise epiléptica, e mover-se como os primeiros robôs. Acrescente à performance caras, bocas e caretas.

Sua voz não é boa? Você desafina? Ligue não! O destaque fica para as suas partes mais importantes: os peitos e a bunda, para as mulheres. Quanto maiores, melhor. 

Se estiver com uns quilinhos a mais – uns cem, por exemplo – orgulhe-se. Desde a Pré-História, a estatueta de 11,1cm da "Mulher de Willendorf", descoberta na Áustria, faz sucesso. E isto há mais de 22 mil anos.

A gordura da vênus simboliza a fartura e a maternidade - expressas nos enormes seios para alimentar a prole e no generoso tamanho do sexo. Eram outros aqueles tempos, quando apenas o alimento importava. Sem hipermercado, freezer ou geladeira, a comida era obtida in loco. Quando a caça ou pesca desapareciam, era a época das vacas magras – digo – pessoas magras.

De Willendorf, da Penha, de Itajaí, Pirapitingui ou qualquer lugar do País ou do mundo, o importante é fazer sucesso.

Já decidiu sobre o gênero musical da sua preferência? Canções melosas com temáticas triviais como traições, retornos e intrigas também são fáceis de produzir: ouça uma e copie – o jeito de fazer, é claro.

A escolha do nome artístico é essencial. Se você for ecológica, algo como “Árvore Grande” ou frutas como manga, pêssego e morango são adequadas, mas também pode escolher nomes fofos com “Leitinho”, “Cafezinho”, “Chocolatinho” etc. Acho que as denominações para animais como “Cachorra” estão fora de moda.

O guarda-roupas é simplesinho, composto de minúsculas peças para cobrir apenas o que se enquadra na lei de atentado ao pudor, acrescidas de perucas coloridas e exuberantes joias ou bijuterias.

Já compôs algumas letras e melodias hoje? Não demore pra começar, pois ”o tempo não para. Não para não”.

Comentários

História & Cotidiano

Katia Auvray

Katia Auvray

Historiadora e escritora. Autora dos livros "Cidade dos Esquecidos - A vida dos hansenianos num antigo leprosário do Brasil" e da coleção infanto-juvenil "Magia da História", sobre a história da cidade de Salto/SP. Também é Mestre Reiki.

Arquivo

15 de julho de 2019

O monge e os Javalis

11 de junho de 2019

Não se preocupe

17 de março de 2019

Ocaso