Colunistas

Publicado: Sábado, 4 de abril de 2015

Lídima expressão de amor

Lídima expressão de amor

 

 

PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO

Domingo, 5.4.15 – Liturgia: Ano “B”

Evangelho (João, 20, 1-9)

...............................................................................................................................

“”    No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo. Então ela saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse:

“Tiraram o Senhor do túmulo e não sabemos onde o colocaram”.

Saíram, então, Pedro e o outro discípulo e foram ao túmulo.  Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao túmulo.

Olhando para dentro, viu as faixas de linho no chão, mas não entrou.

Chegou também Simão Pedro, que vinha correndo atrás, e entrou no túmulo. Viu as faixas de linho deitadas no chão e o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não posto com as faixas, mas enrolado num lugar à parte.

Então entrou também o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo. Ele viu e acreditou.

De fato, eles ainda não tinham compreendido a Escritura, segundo a qual ele devia ressuscitar dos mortos.

...............................................................................................................................

A natureza humana revela caracteres comuns e assemelhados das pessoas entre si e, mesmo assim, no entanto, cada qual tem sua individualidade, - o jeito próprio de ser, pensar e agir.

Pedro e João reagem, destarte, cada qual a seu modo.

Um, dado a arroubos de afeto para com Jesus e outro a posicionar-se com mais calma e segurança. Mas, de todo modo – insista-se – ambos a evidenciar que amam o Mestre profundamente.

Na comparação pois do caráter de um e de outro, apuram-se evidências de fidelidade, conquanto ora pelo ímpeto, ora pela prudência, sempre contudo numa prova de acendrado amor a Jesus.

Mesmo assim, naquela hora da descoberta da pedra do túmulo removida, ainda não atinaram de pronto que a cruz não fora a culminância e o fim de tudo, diante da morte, vencida pela ressurreição gloriosa.

A cruz, o caminho e a aceitação do consequente suplício, para advir, a tempo próprio, a glória final.

A Igreja, pois, ao cabo de relembrar na Semana Santa todas as agruras impingidas a Jesus, convida os seus seguidores ao júbilo e à alegria de saber Jesus vivo e, de modo especial, ao alcance real de todos na Eucaristia.

Jesus, lídima expressão de amor.

                                                                  João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

22 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio