Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 1 de junho de 2009

Lição de Amor

Quando Bernardo abriu sua micro empresa levou o Chico para trabalhar com ele. Começou com uma portinha, pouco dinheiro, muita esperança e, sobretudo muita garra.
 
Com a ajuda do funcionário, mais amigo do que empregado, foi ampliando e, ao fim de algumas décadas, era proprietário de uma verdadeira potência econômica.
 
Os dois filhos, Bernardinho e Márcio, administradores de empresa, e Carlos, o genro, economista, eram sócios, mas nada mais faziam do que compartilhar dos lucros. Quem dava duro de verdade era o Bernardo e o Chico.
 
Tudo foi muito bem até o dia que Bernardo, acometido por uma rápida enfermidade, veio a falecer.
 
Dizem que “uma desgraça nunca vem só”. Verdade ou não, o fato é que, logo depois, o Bernardinho foi acometido por um grave problema visual e perdeu as duas vistas.
 
Tudo isso abalou muito a todos e a “Bernardo & Filhos” começou a ir pra trás.
 
O Chico começou a apresentar sinais de senilidade, fez umas transações infelizes que redundaram em prejuízo e os “meninos” resolveram dispensá-lo. Ele já tinha mais do que tempo suficiente para se aposentar e agora parece que estava começando a ficar gagá.
 
Carlos implicava muito com ele. Achava que ele ganhava muito para um funcionário que não tinha formação superior. Bernardinho desde que perdera a visão tornara-se neurótico, de mal com a vida, brigando por qualquer coisa como se todo mundo tivesse culpa da sua infelicidade e o Márcio sempre foi um fraco dominado pelo irmão.
 
Chico ficou muito aborrecido. Insistiu para continuar mais um pouco, ao menos até que a empresa se firmasse de novo. Tinha apego por aquele patrimônio que ajudara a erigir e, quanto aos “meninos” vira-os crescer. Para ele ainda eram crianças incapazes de dirigir os negócios.
 
Mas, eles foram inflexíveis. Acabaram discutindo e o Chico saiu dizendo:
- Não dou um ano e vocês estarão falidos!
 
Saiu desapontado, cabeça baixa, muito aborrecido e ninguém mais soube dele. O Chico tinha razão. Apesar de seus títulos, os três doutorzinhos eram incompetentes e, em pouco tempo, caiu por terra todo aquele império erguido a custa de tanta determinação e tanto suor.
 
Os “meninos” não tinham tarimba nem fibra. Nunca tinham tomado conhecimento dos problemas da empresa e, imaginavam ingenuamente que o dinheiro caia do céu. Agora estavam perdidos sem saber como nem por onde recomeçar.
 
Foi Márcio que viu a notícia no jornal:
- Olhem quem morreu! O Chico!
- Aquele safado, esbravejou o Bernardinho. Viveu a nossa custa tanto tempo e saiu rogando praga! É o maior culpado do que nos aconteceu!
- Também não é tanto assim, contemporizou o Márcio. Papai sempre dizia que ele era o seu braço direito.
- Um braço direito movido a ouro, interveio o Carlos. Seu Bernardo pagava para ele um salário absurdo! E ainda confiava tanto que é bem capaz que nos roubasse, também. Pra mim, ele se aproveitou da morte do patrão e deu um desfalque, por isso a firma faliu tão depressa.
- Se foi assim, a estas horas ele está prestando contas lá em cima. Não precisamos condená-lo, tornou o Márcio.
- Que o Inferno o receba com as pompas que merece, completou o Bernardinho.
 
Ainda falavam do Chico, raivosos, quando o telefone tocou. Era para o Bernardinho. De um hospital. Uma boa notícia! Acabavam de receber uma doação de córnea e o doador estipulara que queria que fosse ele o beneficiado.
 
O transplante de córnea era a única esperança para o Bernardinho recuperar a visão, mas, até então, tinha sido impossível porque, na época, ainda era novidade. As pessoas tinham muito medo e eram raríssimas as doações.
 
E, assim o Bernardinho recuperou sua visão e ainda recebeu de troco uma maravilhosa lição de amor.
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida