Colunistas

Publicado: Sábado, 8 de dezembro de 2007

Lembranças da Ceia

Na véspera de Natal uma grande correria toma conta da casa, logo nas primeiras horas da manhã. Os cômodos específicos são a copa e a cozinha, onde começam os preparativos para a grande ceia natalina. As donas-de-casa preocupam-se com todos os detalhes, com a eventual falta de um ingrediente e com o devido método de fazer cada prato típico desta época do ano, como o peru assado ou o chester, a farofa ou a leitoa assada.
 
A ceia é uma das tradições mais familiares que há no Natal. Uma verdadeira reunião na qual os laços familiares são legitimados. Onde mais que um simples encontro social, as pessoas nela reunidas possuem uma história em comum, um passado cheio de vivências.
 
Lembro-me de como eram as ceias na minha infância. Durante o dia a correria era na cozinha mesmo. Ao cair a noite, minha mãe já fazia minha irmã e eu nos arrumarmos para as visitas que chegariam mais tarde. Eram tios e tias, primos e primas, alguns conhecidos da família.
 
Já de noite a casa ficava cheia e a grande mesa principal era arrumada. Muitas frutas, alguns doces, os pratos de comida preparados durante o dia e alguns deles trazidos pelas visitas. Para desespero das crianças esfomeadas (como eu), nada podia ser tocado. A ceia só poderia ser apreciada à meia-noite, depois da oração do Pai-Nosso.
 
Meus primos e eu até que tentávamos tirar uma casquinha de qualquer coisa, mas os olhos vigilantes dos adultos nos impediam de qualquer ação. O jeito era sair correndo para brincar lá fora. Nem é preciso dizer que, à meia-noite, já estávamos todos esbaforidos, suados e vermelhos. Alguns até com a roupa em frangalhos, depois de horas correndo e brincando.
 
Faltando cinco minutos para a meia-noite, a correria infantil acabava. Todos nos reuníamos ao redor da mesa para a oração. Eu percebia a importância do Natal porque, muitos parentes que não via durante o ano inteiro, agora estavam ali todos juntos. Só uma data muito importante mesmo para conseguir essa mobilização familiar.
 
Alguém tomava a palavra. Em nome de todos, agradecia por mais um ano e rezava pedindo um outro melhor ainda. Para homenagear o aniversariante de Belém, rezavam a oração que, depois de adulto, o Filho de Deus ensinou aos seus discípulos. Ouviam-se fogos logo depois da reza. Era o Natal que havia chegado. Cumprimentos, abraços, entrega de presentes e a ceia... a tão esperada ceia.
 
Tenho sorte de crescer guardando tais lembranças. Fico um pouco nostálgico, porém feliz de saber que vivi certos momentos especiais na infância. Então me pergunto a mim mesmo: e os que nunca puderam desfrutar de tais ocasiões? Os menores abandonados, os moradores de rua, os pobres marginalizados?
 
Foi exatamente com o propósito de dar a esses excluídos da sociedade uma ceia digna, que a Comunidade Totus Tuus organiza em Itu, já pela nona vez, o Churrasco de Natal dos Pobres. Os membros da entidade buscam e reúnem crianças e famílias carentes, além de moradores de rua, para que também possam comer na noite de Natal.
 
Quem dera na data em que lembramos o nascimento do Salvador, ninguém passasse fome ou qualquer necessidade. Infelizmente, a vida não é assim. Por outro lado, não significa que tenhamos que nos conformar. Colaborar com o Churrasco de Natal dos Pobres, direta ou indiretamente, pode ser uma forma de praticar a caridade com os que necessitam e também se sentir parte daqueles que lutam para aliviar ao menos um pouco a tristeza dos que foram esquecidos pela sociedade.
 
Tais necessitados foram esquecidos pelo mundo, mas não pela Igreja. Foi o próprio Jesus que nos ensinou a tomar medidas em benefício dos que mais sofrem, pedindo que víssemos neles a sua própria e divina pessoa.
 
Então, cheios do espírito natalino, possamos ajudar a Comunidade Totus Tuus mais uma vez. É entidade reconhecida por todos e vem fazendo um trabalho considerável na assistência aos necessitados que se encontram em Itu. Qualquer doação será bem-vinda e bem vista aos olhos de Deus. Você que se interessou, mova-se. Ligue para os telefones (11) 4023-0552 ou (11) 4023-1579 para pedir informações sobre qual a melhor maneira de colaborar.
 
Não basta ter as nossas... é preciso fazer algo para que as outras pessoas, principalmente as mais necessitadas, possam também guardar desta vida algumas boas lembranças da época do Natal.
 
Amém.
Comentários

Visão de Mundo

Salathiel de Souza

Salathiel de Souza

Jornalista, professor e teólogo, iniciou carreira em 1996. Membro da Academia Ituana de Letras, é sacerdote católico apostólico romano e autor de "Tudo Pela Missão! - Minha Experiência Missionária em Roraima".

Arquivo