Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Laços de Família

Perla sempre soube que Carlos não era o seu verdadeiro pai, mas o considerava como tal. Sempre o chamou de Papai, pois ele fora o único pai que conhecera.
 
Foi ele que levantou a noite para procurar sua chupeta perdida, que brincou com ela, contou-lhe histórias, levou-a ao circo, mais tarde, às festinhas, deu-lhe umas broncas de vez em quando, enfim, fez tudo o que um verdadeiro pai faz.
 
No seu documento constava o nome do seu pai: "Bartolomeu Sampaio de Lara". Por muito tempo esse nome não lhe dizia nada. Era apenas o nome de um pai ausente e desconhecido.
 
Perla teve uma infância feliz.
 
Tinha três avós enquanto todo o mundo tem, quando muito, duas. A Vó Aurora com o Vô Zico moravam na rua do fundo de sua casa e havia um portãozinho que comunicava os quintais. Perla podia ir e vir à vontade sem ter que sair na rua e praticamente morava nas duas casas.
 
Ficava com os avós quando os pais saiam. O Vô Zico a levava a escola, tomava-lhe a lição e acobertava-lhe as travessuras. A Vó Aurora cumulava-a de paparicos, fazia seus petiscos prediletos e ajudava-a nos trabalhos manuais.
 
A Vó Júlia com o Vò Júlio moravam em uma chácara na saída da cidade e reuniam nos fins de semana a numerosa família para o almoço de domingo, o bate papo, o jogo de futebol, enquanto a criançada se divertia nadando na piscina, jogando bola, trepando nas árvores, brincando e brigando.
 
A terceira avó era a mãe do Bartolomeu, Leocádia (não gostava que a chamassem de dona muito menos de avó) era muito diferente das outras avós. Viúva, morava sozinha em um apart-hotel elegante. Era bonita e sofisticada, freqüentava a alta sociedade e estava sempre na coluna social.Gostava muito da Perla e vinha freqüentemente buscá-la para passar o dia com ela.

Edna, a mãe de Perla não simpatizava muito com a ex-sogra, mas não podia impedir que se relacionasse com a menina que, afinal, era sua neta. E a Perla ia passear com ela, vestindo o seu melhor vestido e ouvindo ainda as últimas recomendações da mãe:
 
- Comporte-se! Cumprimente! Agradeça! Peça licença!
 
Leocádia agradava muito a Perla. Levava-a para passear e comprava-lhe presentes caros, jóias, brinquedos sofisticados, roupa de marca.
 
Quando Leocádia convidou a Perla para ir com ela aos Estados Unidos fazer uma visita ao pai que morava lá, Perla ficou radiante, mas, sua alegria durou pouco, pois a mãe disse que não deixaria que ela fosse procurar esse pai que a abandonou ainda bebê nunca se incomodou com ela.
 
A partir daí começou uma verdadeira disputa entre Edna e Leocádia.
 
Leocádia afirmava que o Bartô era uma excelente pessoa e que quando foi trabalhar nos Estados Unidos, Edna se recusou a acompanhá-lo e pediu a separação.
 
Edna dizia que ele estava desempregado e fora aventurar-se na terra estranha. Ela não podia acompanhá-lo com uma criança recém-nascida. O casamento já estava em crise e ela imaginou que ficando um pouco de tempo afastados, talvez voltassem a se entender. Ou ele voltava ou ela ia para lá quando ele estivesse estabilizado.
 
Mas não foi isso o que aconteceu. Ele arranjou outra mulher e pediu a separação.
 
Mais tarde ela casou-se com o Carlos e tudo se acomodou.
 
Agora a Leocádia queria levar a Perla para junto dele. Ele que nunca se incomodara com ela! Não! Enquanto a filha fosse menor e dependesse de sua autorização ela não deixaria que fosse.
 
Perla ficava dividida. Não queria contrariar a mãe, mas a proposta da Leocádia era tão fascinante!
 
E ela insistia, chorava até que a mãe perdia a paciência com ela. Depois ficava com pena. Afinal ela era apenas uma criança! A culpada era a Leocádia que ficava pondo minhocas em sua cabeça.
 
Perla começou a tratar mal o Carlos e respondeu-lhe agressivamente quando ele opinou sobre a viagem:

 - Você não tem nada com isso. Não é o meu pai!
 
Carlos ficou muito magoado e desde então passou a tratá-la com frieza.
 
Perla não queria mais ir à chácara dos avós Julio e Julia porque, afinal de contas, eles não eram nada dela, sua avó paterna era a Leocádia e ninguém mais.
 
Tudo isso foi criando um clima desagradável entre todos que até então tinham sido tão amigos.
 
Mas, assim que a Perla completou a maioridade, Leocádia planejou uma viagem pela Europa. O Bartô iria encontrar-se com elas e fariam juntos a tournée.
 
Edna não gostou, mas não conseguiu impedir. Perla e Leocádia partiram para a viagem de um mês.
 
Quando desembarcaram em Londres, o Bartô e a mulher já os aguardavam.
  
Perla teve a primeira decepção. O pai foi muito frio com ela e ela sentiu-se como uma estranha forçando uma aproximação que ele não parecia desejar.
 
No entanto, com a mãe ele foi muito carinhoso e durante todo o passeio ficou ao seu lado, conversando com ela, dando-lhe toda a atenção, ignorando por completo a sua presença e a da madrasta.
  
Mary, a madrasta, não falava português e Perla, apesa
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida