Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 11 de abril de 2016

Jesus reaparece

Jesus reaparece

 

 

3º. DOMINGO DA PÁSCOA

10.04.2016 – Liturgia do Ano “C” (Lucas)

Evangelho segundo João, 21, 1-14

...............................................................................................................................

“”    Naquele tempo, Jesus apareceu de novo aos discípulos, à beira do mar de Tiberíades.

A aparição foi assim: estavam juntos Simão Pedro, Tomé, chamado Dídimo, Natanael de Caná da Galileia, os filhos de Zebedeu e outros dois discípulos de Jesus.

Simão Pedro disse a eles:

“”Eu vou pescar”.

Eles disseram:

“Também vamos contigo”.

Saíram e entraram na barca, mas não pescaram nada naquela noite.

Já tinha amanhecido, e Jesus estava de pé na margem. Mas os discípulos não sabiam que era Jesus.

Então Jesus disse:

“Moços, tendes alguma coisa para comer?”

Responderam: “Não”.

Jesus disse-lhes:

“Lançai as redes à direita da barca e achareis”.

Lançaram, pois, a rede e não conseguiam puxá-la para fora, por causa da quantidade de peixes.

Então, o discípulo a quem Jesus amava, disse a Pedro:

“É o Senhor!”

Simão Pedro, ouvindo dizer que era o Senhor, vestiu sua roupa, pois estava nu, e atirou-se ao mar.

Os outros discípulos vieram com a barca, arrastando a rede com os peixes.

Na verdade, não estavam longe da terra, mas somente a cerca de cem metros.

Logo que pisaram a terra, viram brasas acesas, com peixe em cima, e pão.

Jesus disse-lhes:

“Trazei alguns dos peixes que apanhastes”.

Então Simão Pedro subiu ao barco e arrastou a rede para a terra. Estava cheia de cento e cinquenta e três grandes peixes; e apesar de tantos peixes, a rede não se rompeu.

Jesus disse-lhes:

“Vinde comer”.

Nenhum dos discípulos se atrevia a perguntar quem era ele, pois sabiam que era o Senhor.

Jesus aproximou-se, tomou o pão e distribuiu-o por eles. E fez a mesma coisa com o peixe.

Esta foi a terceira vez que Jesus ressuscitado dos mortos, apareceu aos discípulos.    “”

...............................................................................................................................

Se os discípulos já estavam envolvidos de novo com afazeres antigos – eram pescadores – terá talvez sido pelo desapontamento com a perda do Mestre, na maneira inglória da crucifixão. Uma hipótese apenas.

De pronto, igualmente, não se deram conta de que aquele visitante estranho era Jesus, algo que aos cochichos de um para outro afinal assim perceberam. Não ousavam se abrir e por assim dizer, se congratular. A leitura do evangelho deixa entrever que todo aquele inusitado e inesperado momento os deixou deslumbrados. Um misto de surpresa e felicidade interior de cada um.

Radiantes no coração, agora, mais que nunca, amor e supremo respeito ao Mestre.

Este evangelho, do 3º. Domingo da Páscoa, comparece no seu todo com 19 versículos, mas, deixa a opção de que sejam vistos e considerados os 14 primeiros versículos. 

Os outros cinco versículos, que não constam na transcrição acima, falam da pergunta de Jesus a Pedro se ele o amava. Depois das duas respostas afirmativas, Jesus determina que ele, Pedro, apascente suas ovelhas. Acontecia então a solene proclamação de Pedro como primeiro Papa da Igreja nascente.

Assim foi feito.

                                                                       João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

20 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio