Colunistas

Publicado: Sábado, 30 de dezembro de 2017

Jesus, menino

REFLEXÃO DOMINICAL – “Ano “B” - 31.12.2017 – 

Festa da Sagrada Família, Jesus, Maria e José

Evangelho (Lucas, 22, 23-38)

. . . . . .

 

“”””    Quando se completaram os dias para a purificação da mãe e do filho, conforme a lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, a fim de apresentá-lo ao Senhor.

Conforme está escrito na Lei do Senhor:

“Todo primogênito do sexo masculino deve ser consagrado ao Senhor”.-,  Foram também oferecer o sacrifício – um par de rolas ou dois pombinhos -, como está ordenado na lei do Senhor.

Em Jerusalém havia um homem chamado Simeão, o qual era justo e piedoso e esperava a consolação do povo de Israel. O Espírito Santo estava com ele e lhe havia anunciado que não morreria antes de ver o Messias que vem do Senhor.

Movido pelo Espírito, Simeão foi ao templo.

Quando os pais trouxeram o menino Jesus para cumprir o que a lei ordenava, Simeão tomou  o menino nos braços e bendisse ab Deus:

“Agora, Senhor, conforme a tua promessa, podes deixar teu servo partir em paz; porque meus olhos viram a tua salvação, que preparaste diante de todos os povos: luz para iluminar as nações e glória do teu povo de Israel”.

O pai e a mãe de Jesus estavam admirados com o que diziam a respeito dele.

Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe de Jesus:

“Este menino vai ser causa tanto de queda como de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição. Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações. Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma”.

Havia também uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Era de idade muito avançada; quando jovem, tinha sido casada e vivera sete anos com o marido. Depois ficara viúva e agora já estava com oitenta e quatro anos.

Não saía do templo, dia e noite servindo a Deus com jejuns e orações.

Ana chegou nesse momento e pôs-se a louvar a Deus e a falar do menino a todos os que esperavam a libertação de Jerusalém.

Depois de cumprirem tudo, conforme a lei do Senhor, voltaram à Galileia, para Nazaré, a sua cidade.

O menino crescia e tornava-se forte, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava com ele.    “”””

. . . . . . . .

A lição primeira que esta passagem transmite, é justamente a da simplicidade da Sagrada Família. Gente comum e sem nenhum destaque no meio das multidões, eis que recolhidos sempre em Nazaré. Dispuseram-se a cumprir humildemente uma prática religiosa comum a todos, de apresentar os filhos no templo.

Não fosse Simeão e a profetisa Ana, passariam José, Maria e Jesus, quase despercebidos.

Cumprida essa prática religiosa, voltaram para Nazaré.

Assim, em tese, deveriam proceder todas as famílias, a cumprirem seu papel de modo a viver em harmonia e tementes a Deus. Não é bem assim, tudo, nos tempos de agora, quem não sabe?

Haja vista a quase profanação do Natal, vilipendiado no seu significado em espírito e verdade, o religioso acima de tudo, para ceder tempo a comemorações profanas, ceias e alvoroço comercial.

Muito natural predomine a alegria geral, claro, mas com o foco primeiro na relembrança do Deus que nasce.

Tomara que você, que lê esta página, tenha sabido dosar e dividir o significado em ter o sagrado e o meramente profano em primeira conta..

Doutra parte – e mudando de assunto – a hipótese de interrupção destes comentários semanais, fica por ora em suspenso.

Sem definição ainda, continua essa humilde presença junto aos amáveis leitores.

Desponta logo mais, amanhã, o Ano Novo!

A paz e saúde estejam no meio de nós todos.

                                                                                                                                         João Paulo

 

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

15 dias atrás

Olhemo-nos de frente

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio