Colunistas

Publicado: Sábado, 29 de outubro de 2016

Jesus fiel, Jesus presente, Jesus solícito

Jesus fiel, Jesus presente, Jesus solícito

 

 

31º.  DOMINGO DO TEMPO COMUM

30.10.2016 – Liturgia do Ano “C”

Evangelho (Lucas, 19, 1-10)

...............................................................................................................................

“”    Naquele tempo, Jesus tinha entrado em Jericó e estava atravessando a cidade.

Havia ali um homem chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores de impostos e muito rico.

Zaqueu procurava ver quem era Jesus, mas não conseguia, por causa da multidão, pois era muito baixo.

Então ele correu à frente e subiu numa figueira para ver Jesus, que devia passar por ali.

Quando Jesus chegou ao lugar, olhou para cima e disse:

“Zaqueu, desce depressa! Hoje eu devo ficar na tua casa”.

Ele desceu depressa e recebeu Jesus com alegria.

Ao ver isso, todos começaram a murmurar, dizendo:

“Ele foi hospedar-se na casa de um pecador!”

Zaqueu ficou de pé e disse ao Senhor:

“Senhor, eu dou a metade dos meus bens aos pobres e, se defraudei alguém, vou devolver quatro vezes mais”.

Jesus lhe disse:

“Hoje a salvação entrou nesta casa, porque também este homem é um filho de Abraão.

Com efeito, o Filho do homem veio procurar e salvar o que estava perdido”.  “”

...............................................................................................................................

Não será fora de propósito uma reflexão sobre se após falhas, erros e pecados, toda pessoa estivesse condenada de vez. Quem sobraria?

Jesus, ciente da fragilidade humana, sobretudo no terreno da espiritualidade, apresenta situações, fatos e providências, tudo em socorro de quem falha.

Tanto que se há de lembrar e repetir agora a conhecida jaculatória que assegura ser Jesus humilde e manso de coração. Ele o é deveras!

Antes até da concretude e busca do fiel decidido a se emendar, o Mestre comparece e se faz sensível a essa intenção de benignidade de quem assim se decida ser. Um passo na direção de Jesus provoca muitos outros dele, pressuroso, ao encontro do penitente.

Conclui-se com acerto que, em princípio, a atuação da graça está sempre viva e disponível. Um aceno, muitas vezes tênue, do fiel e tudo se realiza plenamente.

De coração, Zaqueu já fora movido por saber e querer ver Jesus. O gesto extremo nesse sentido configurou-se com o subir na árvore.

A partir daí ocorreu a solicitude de Jesus.

Jesus fiel. Jesus solícito. Jesus presente.

                                                                                      João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

22 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio