Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Infortúnio, injustiça, perseguições

  

XXXII Domingo. Tempo Comum.

Novembro, 6. -  2011.

Evangelho, conforme Mateus (5, 1-12)

Festa de Todos os Santos

*   *   *   *   *   *   *   *   *   *   *   *   *

“”   Naquele tempo, vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e sentou-se. Os discípulos aproximaram-se, e Jesus começou a ensiná-los:

“Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados. Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Bem aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. Bem-aventurados os puros de coração, porque  verão a Deus. Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados sois vós quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo tipo de mal contra vós por causa de mim. Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus” . “”

*   *   *   *   *   *   *   *   *   *   *   *

O capítulo 5 de Mateus se sobressai nas escrituras como páginas da maior relevância, com especial destaque daquelas de sua abertura, com as bem-aventuranças proclamadas por Jesus.

Fazem lembrar, por sinal, que os males do ser humano derivam, em sua maioria, de três causas principais: do infortúnio, da injustiça e de perseguições.

Do infortúnio, porque se caracterizam de sobressaltos e penúrias acarretadas sem aviso e de que no mais das vezes nem se sabe de onde nem porque aconteceram. Doenças e cataclismos, os mais comuns.

Dói na alma ser injustiçado. São provocadas por de terceiros, inescrupulosos, indiferentes e insensíveis ou até maldosos por mera índole.

Ser perseguido, máxime quando impraticável sua própria defesa, sob ameaças de ainda maior represália, reduz o homem a um sofrimento, supremo e silente. Sem chances de reação ou defesa.

É aí que justamente se apresenta a infinita misericórdia divina, eficaz em  todas as circunstâncias, com o aval perfeito assegurado na proclamação das bem-aventuranças, a socorrer o homem em todas as vicissitudes, muitas vezes aqui mesmo ou na vida futura.

Aos ricos, não os atravanca necessariamente o muito possuir, desde que os bens terrenos não se transformem no seu único deus. Bom de se ressalvar contudo que a avareza tem garras afiadas... Aflitos e famintos, serão consolados e saciados. Puros de coração, misericordiosos e promotores da paz, jamais serão esquecidos por Deus.

Dores físicas e morais, as mais agudas, poderiam levar qualquer um ao desânimo, revolta ou ao desespero.

Eis, pois, nas bem-aventuranças, - lidas, meditadas e ao se lhes dar crédito e confiança, - o conforto e a certeza se não na terra, de alegrias ainda maiores nos céus.

                                                                                                                       João Paulo

     

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

18 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio