Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Incluir. Muito mais do que aceitar

Crédito: banco de imagens Incluir. Muito mais do que aceitar
Incluir é muito mais do que aceitar
Sempre fomos diferentes uns dos outros, porém afirmamos que somos todos iguais. E somos, embora sejamos diferentes.
 
Somos seres humanos, com dois braços, duas pernas, uma cabeça, e por isso somos iguais, porém temos diversas tonalidades de pele, de cor de olhos, de formato de cabeça e por isso somos diferentes. Todos possuímos um cérebro e por isso somos iguais, porém em cada crânio, o cérebro funciona de forma exclusiva, e por isso somos diferentes.
 
Esta dicotomia se deve à dificuldade que o ser humano tem em lidar com o diferente. Desde que o mundo é mundo sempre houve a preocupação em se massificar. Esta sempre foi a grande fórmula para se obter a ordem e o convívio social.
 
Em detrimento de sermos considerados iguais é que os diferentes sempre foram banidos, encarcerados, queimados, executados como: Sócrates, Joana D’Arc, Tiradentes, os deficientes físicos, entre tantos.
 
Então é criada a Declaração de Salamanca (1994) possibilitando o ingresso dos portadores de necessidades especiais nas escolas normais.
 
É o convívio entre os diferentes.
 
Será que não deveria ter sido assim desde o início? Será que não deveria, o professor, ter sempre um olhar especial para cada aluno, ao invés de enxergar a sala de aula como um todo, massificando-os?
 
Foi preciso incluir os portadores de necessidades especiais para que se enxergasse que todos merecem um olhar especial.
 
É claro que existem professores que ainda encaram a inclusão como a prática de se colocar o aluno com necessidades especiais junto dos não portadores.
 
Porém, incluir é muito mais do que aceitar.
 
É olhar e enxergar o aluno como sendo único. É entender que cada um tem o seu tempo, o seu desenvolvimento e que deve ser motivado sempre.
 
Incluir é se dispor a aceitar que o resultado apresentado pode ter sido o que de melhor o aluno pôde fazer e continuar a incentivá-lo para que faça cada vez melhor.
 
Incluir é enxergar cada um como único, porém como parte de um todo.
Comentários

Educar sempre

Cybele Meyer

Cybele Meyer

Advogada, Artista Plástica, Professora, Diretora Pedagógica, sócia fundadora da Meyer&Meyer - Construindo a Educação, Palestrante, Pós-graduada em Psicopedagogia e Docência do Ensino Superior.

Arquivo

3 de setembro de 2015

Cheiro de Infância

14 de agosto de 2015

Achado não é roubado

25 de junho de 2015

Educação Emocional